Chocolate amargo: 6 motivos para incluí-lo na sua alimentação

Existem muitos estudos que comprovam os benefícios do chocolate amargo para a nossa saúde; confira 6 deles

Os maias acreditavam que o chocolate amargo era o “alimento dos deuses”
Os maias acreditavam que o chocolate amargo era o “alimento dos deuses” - Shutterstock

por Loyane Lapa
Publicado em 14/04/2022 às 16:00
Atualizado às 16:00

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

A Páscoa está quase aí e a temporada de chocolates já está aberta! E aqueles que estão iniciando sua trajetória rumo a uma alimentação mais equilibrada podem pensar que esse estilo de vida requer uma abdicação dos doces, não é mesmo? Nem todos. Existe uma exceção saudável para o feriado mais doce do ano: o chocolate amargo

Considerado o “Alimento dos Deuses” pela cultura maia, o chocolate amargo possui diversos benefícios para a saúde comprovados inclusive por estudos. Em 2019, por exemplo, foi publicada no International Journal of Environmental Research and Public Health oito benefícios dos chocolates mais amargos.

Contudo, vale lembrar que mesmo sendo saudável, é necessário dosar o consumo desse alimento, tudo bem? Até porque, mesmo contendo mais concentração de cacau, o chocolate amargo ainda possui a adição de açúcar e gordura saturada.

Além disso, existe uma quantidade recomendada para ingestão diária: é de 25 g a 50 g. Desse jeito, é possível usufruir de todos os benefícios que esse alimento pode proporcionar para a sua saúde. Mas você sabe quais são? Não? Então continue aqui com a gente. Vamos listar para você 6 benefícios da ingestão do chocolate amargo. Confira:

1. Efeitos cardiovasculares

Uma série de benefícios para o sistema cardiovascular pode ocorrer após a ingestão regular de alimentos e bebidas que contenham cacau. “Os chocolates com maior concentração de cacau têm ação vasodilatadora, melhoram a função vascular e contam com atividades antiplaquetárias, prevenindo a formação de placa de gordura dentro das artérias”, explica a cirurgiã vascular Dra. Aline Lamaita, membro da Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular (SBACV). 

2. Antidiabético

Os componentes do cacau oferecem importante ação como agentes antidiabéticos, especialmente com diabetes mellitus tipo 2 (T2D). “Esse aspecto é de particular relevância devido à emergente epidemia mundial de síndrome metabólica, que inclui obesidade, diabetes e dislipidemia. O cacau e seus flavonóis melhoram a homeostase da glicose, retardando a digestão e absorção de carboidratos no intestino”, afirma a  nutróloga Marcella Garcez. 

O cacau e seus flavonóis melhoram a sensibilidade à insulina, regulando o transporte de glicose e as proteínas sinalizadoras de insulina no fígado, tecido adiposo e músculo esquelético, prevenindo efeitos oxidativos e danos inflamatórios, segundo estudo.

3. Contra obesidade

Recentemente, estudos investigaram os efeitos preventivos ou terapêuticos do cacau e de seus constituintes contra a obesidade e a síndrome metabólica. Na revisão desses relatos, os autores citam estudos que observaram uma redução na expressão de vários genes associados ao metabolismo e armazenamento de gorduras, além de aumentar a expressão de genes associados à termogênese.

4. Um ‘up’ para o sistema imunológico

Estudos in vivo e in vitro mostraram que o cacau possui propriedades regulatórias nas células imunes implicadas na imunidade inata e adquirida. “Os efeitos positivos dos flavonoides de cacau no sistema imunológico, por vários mecanismos, são conhecidos como a redução da liberação de mediadores, a restauração do equilíbrio das células e a regulação negativa de produção de imunoglobulinas”, diz a médica Marcella Garcez.

5. Estímulo à felicidade

Estudos mostram que a ingestão de chocolate está ligada também a aspectos emocionais, ao aumentar a síntese cerebral de serotonina, o famoso hormônio da felicidade e que produz uma sensação de energia e prazer.

Mas é necessário ter cautela no consumo de chocolate com teor maior de açúcar, uma vez que os carboidratos também estão envolvidos nesse processo em um primeiro momento, mas seu excesso também pode causar distúrbios metabólicos e elevar a sensação de culpa.

6. É afrodisíaco

Pois é, o chocolate também faz parte da lista de alimentos afrodisíacos! O cacau em pó e o chocolate contêm substâncias que, em conjunto com outros componentes (como cafeína e teobromina), produzem uma sensação transitória de bem-estar. “O principal componente da excitação sexual é a vasocongestão periférica dos tecidos genitais, pelo aumento dos níveis de óxido nítrico; assim, juntamente com a serotonina, com produção aumentada após o consumo de cacau, pode estar envolvido no processo de estímulo sexual”, diz a nutróloga.

Fontes: Aline Lamaita, cirurgiã vascular e membro da Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular (SBACV); Marcella Garcez, nutróloga e diretora da Associação Brasileira de Nutrologia.

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

Ao assinar nossa newsletter, você concorda com os termos de uso do site.