Conheça o transtorno bipolar

A pessoa bipolar não possui apenas apenas uma variação entre o bom e o mau humor. Veja quais são as características do transtorno

Mulher bipolar.jpg
Shutterstock Images

Dias bons e ruins fazem parte do cotidiano, mas a oscilação constante de humor pode indicar algo a fora do comum. Porém, isso também não quer dizer que uma pessoa que muda fácil da raiva para a alegria sofre com algum distúrbio. É necessário cuidado ao diagnosticar esta variação de temperamento como um caso de transtorno bipolar.

Segundo o psicanalista Paulo Miguel Velasco, no paciente com o distúrbio, “o hipocampo é afetado em cerca de 10%, o que gera perda parcial de conexão com os neurônios, diminuindo a eficácia dos medicamentos”. As funções desta área encefálica são ligadas ao eixo frontal, podendo danificar a memória.

O cérebro de uma pessoa diagnosticada com o transtorno bipolar pode sofrer com o excesso de alguns neurotransmissores, como o glutamato e a dopamina. Em situação de defesa, o órgão envia células protetoras, o que causa inflamações e, consequentemente, as falhas nas ligações entre os neurônios.

 

Mulher bipolar.jpg

Shutterstock Images

Crise bipolar

Sem as medicações necessárias, as crises em indivíduos bipolares são inevitáveis. Os níveis variam de acordo com a incidência do bom e do mau humor e são divididos em leve, moderado, grave e crônico. O que os difere é a frequência com que se manifestam e o tempo de duração.

“O tratamento à base de lítio é o mais recomendado, com eficácia em 86% dos casos bipolares. Também é possível a administração de antidepressivos, ansiolíticos e anticonvulsivos para amenizar as crises”, revela o psicanalista.

Não há uma idade específica para desenvolver o transtorno bipolar, sendo mais comum, de acordo com a psiquiatra Maria Cristina de Stefano, “no início da vida adulta, dos 20 aos 25 anos. Porém, casos mais tardios podem surgir entre os 30 e 35 anos. Não há evidências em crianças, mas na adolescência é possível ocorrer devido às alterações normais de humor da puberdade”.

Não é tudo igual

O transtorno maníaco-depressivo é frequentemente confundido com outros distúrbios em virtude dos seus sintomas. “É muito comum o bipolar conter traços de outros transtornos como a síndrome borderline. Ambos apresentam instabilidade afetiva, irritabilidade, ansiedade curta, ódio excessivo de alguém e distúrbios dissociativos”, explica Velasco.

Diferentemente do senso comum, a pessoa não tem que lidar apenas com os picos de humor. Segundo o psicólogo Leonardo Barros, “a bipolaridade pode, muitas vezes, passar despercebida e ser considerada característica da personalidade, além de ser confundida com esquizofrenia, depressão e síndrome do pânico”. Por isso, é importante que se estabeleça um diagnóstico exato antes que qualquer tratamento seja iniciado.

 

Homem transtorno bipolar.jpg

Shutterstock Images

Além de outros transtornos mentais, os sintomas podem ser confundidos com quadros de saúde como o hipotireoidismo, hipertireoidismo, doenças da suprarrenal, diabetes, síndrome de ovários policísticos e outras patologias que causam grande oscilação de humor.

 

As variações do transtorno bipolar

Segundo o Manual Diagnóstico e Estatístico dos Transtornos Mentais (DSM) e a Classificação Internacional de Doenças (CID), o transtorno bipolar está dividido em:

• Tipo 1: tanto os sinais de mania (extrema excitação) e depressão se manifestam intensamente (ao mesmo tempo ou não) e podem prejudicar a vida social, levando à internação do indivíduo.

• Tipo 2: oscilação entre depressão e euforia sem maiores prejuízos sociais para a pessoa.

• Não especificado: sintomas que indicam o distúrbio, mas não há a confirmação no diagnóstico.

• Ciclotimia: grau menor de transtorno de humor que traz apenas uma alternância entre a depressão moderada e a hipomania (estado leve de excitação).

 

Saiba mais:

Alimentos para o bom humor

A influência das cores no seu humor

60 dicas para vencer o estresse

 

Consultorias: Leonardo G. Barros, psicólogo, hipnólogo e diretor do Instituto Brasileiro de Hipnose Ericksoniana (IBRHE); Maria Cristina de Stefano, psiquiatra; Paulo Miguel Velasco, psicanalista e autor do livro Depressão e transtornos mentais (Editora WAK, 2015).

Texto e entrevistas: Giovane Rocha/Colaborador