Os tipos de dores de cabeça que afetam os brasileiros

Dores de cabeça são comuns e em algum momento vai aparecer na vida de qualquer pessoa. Conheça alguns dos mais de 200 tipos de dores que existem.

Homem com dor de cabeça
Foto: Shutterstock Images

Pontadas, sensação de pressão na testa, pulsação na cabeça, estes são um dos sintomas da famosa dor de cabeça. Em todo o mundo, 75% dos adultos são afetados.

Homem com dor de cabeça

Foto: Shutterstock Images

 

São mais de 200 tipos de cefaleia. Somente 50% dos casos podem ser prevenidos. Confira alguns tipos de dores de cabeça que predominam na vida do brasileiro.

 

mulher massageando a cabeça

Imagem giphy.com

 

 

Cefaleia tensional:

Esse tipo de dor de já foi chamada de cefaleia de estresse ou de contração muscular, mas foi definida como tensional pela Sociedade Internacional de Cefaleia (SIC). Dentre as dores, é uma das mais leves, porém, é a que tem maior incidência.

A neurologista Carla Jevoux descreve como se manifesta: “A dor pode ser sentida nos dois lados da cabeça simultaneamente. Os pacientes a descrevem como uma sensação de peso ou aperto em volta da cabeça, ou na parte posterior, muitas vezes irradiando para a parte posterior do pescoço”.

 

gif de uma mulher acordando

Imagem giphy.com

 

Enxaqueca:

Afeta cerca de 20% das mulheres. Também chamada de migrânea, é uma doença neurovascular crônica que causa grandes prejuízos ao indivíduo, por comprometer seu bem-estar em todos os aspectos da vida. A dor latejante e de forte intensidade acomete um lado da cabeça, podendo variar a cada crise, que tem duração de três ou quatro horas. “A enxaqueca é uma doença genética do cérebro, que o torna mais sensível a uma vasta gama de estímulos”, explica Carla.

Cefaleia em salvas:

São os homens os mais afetados por esse tipo de dor de cabeça. Já chamada de cefaleia histamínica e de Horton, hoje, define-se como cefaleia em salvas aquela que causa dor intensa, unilateral, geralmente em órbita e com duração de 15 minutos a uma hora e meia. Mais rara, estima-se que seja responsável por 6% do total dos casos de dor de cabeça e comece a partir dos 30 anos de idade.

 

Menina segurando uma faca

Imagem giphy.com

 

Em facadas:

É, na verdade, um tipo de dor de cabeça muito frequente em quem sofre com enxaqueca (40% dos que se queixam) e/ou cefaleia em salvas (em 30% dos casos). Tem duração extremamente breve, cerca de três segundos, mas se manifesta com intensas pontadas únicas ou agrupadas, em definidas regiões da cabeça, geralmente na parte posterior. Não possui causas orgânicas definidas.

 

homem fazendo exercício fisíco

Imagem giphy.com

 

Dor causada pelo esforço físico:

Sabe aquela hora em que você aperta o passo e aumenta a intensidade de uma caminhada ou corrida? Ou quando intensifica a série de exercícios na academia? É esse empenho fora do habitual que faz com que a oxigenação do cérebro seja insuficiente e a respiração inadequada.

O resultado certo é uma dor de cabeça, que é ainda mais frequente em ambientes muito quentes ou em altitudes elevadas. As cefaleias do esforço têm uma predominância no sexo masculino, afetando quatro homens para cada mulher.

 

casal deitado

Imagem giphy.com

 

Dor associada ao ato sexual:

E quando um dos grandes prazeres da vida é como uma tortura para alguns? É o que acontece com os indivíduos que sentem dor de cabeça durante o ato sexual. A dor pode se manifestar como um peso leve na parte posterior da cabeça e de intensidade gradual, ou seja, cresce conforme a excitação aumenta, chegando ao ápice no momento do orgasmo.

Outra variação da doença apresenta sintomas semelhantes aos da enxaqueca: dor intensa, explosiva e latejante, só que na região frontal da cabeça. Pode durar alguns minutos, horas ou dias e desaparece espontaneamente. O problema é mais frequente em homens, surge entre 30 e 50 anos de idade e pode apresentar um único episódio ou persistir em todas as relações sexuais.

 

 

homem colocando a mão na cabeça

Imagem giphy.com

Sinusite:

O acúmulo de secreção, vírus e bactérias nas fossas nasais provocam um processo inflamatório, que faz com que a cabeça doa bastante. Embora a hidratação nasal facilite a eliminação do muco e, portanto, proporcione algum alívio, o problema só é resolvido quando a inflamação acaba.

 

 

Mulheres sorrindo abraçadas

Imagem giphy.com

Tratamento

Depende de cada tipo de dor de cabeça. Mas, a boa notícia é que toda cefaleia pode ser tratada, com ou sem uso de medicamentos. E uma dica: reveja seus hábitos de vida. “Nem toda dor precisa de medicamento. Exemplo disso são as dores em crianças, em que uma das formas de tratamento é o repouso e o sono”, revela o neurologista Marcelo Mariano da Silva.

É importante lembrar que, em casos como o da enxaqueca, não tem cura. “Embora dê para aliviar a dor, não dá para ficar sem remédio. A enxaqueca é uma doença química, crônica e genética do cérebro que pode ou não causar dores. Embora possamos eliminá-la com o tratamento, nunca poderemos curar uma doença que é genética em sua origem”, explica o neurologista Abouch Krymchantowski.

São dois tipos básicos de tratamentos: o de crises, que busca aliviar a dor por meio de analgésicos e anti-inflamatórios; e o profilático, ou preventivo, que consiste em evitar que a dor apareça – esse é o mais indicado quando o problema é crônico.

Saiba mais:

Dormir previne o risco de infarto

Conheça os benefícios da semente de chia

Perda de memória recente

Consultoria Abouch Krymchantowski, neurologista; Carla Jevoux, neurologista; Marcelo Mariano da Silva, neurologista