Confira a mensagem especial de Páscoa do Papa Francisco sobre a pandemia

Pontífice realizou a cerimônia na Casa de Santa Marta, com uma oração as mulheres e profissionais da saúde

oração contra a violência Papa Francisco
Foto: AFP

Nesta segunda (13), o Papa Francisco dedicou sua fé em uma mensagem aos governantes, para que pensem em seus povos após o fim da pandemia, e uma oração contra a violência doméstica, sofrida por milhares de mulheres ao redor do mundo, durante o período de isolamento. A cerimônia, realizada na Casa de Santa Marta, faz parte dos ritos pós-Páscoa, sendo a prece especial intitulada de Regina Caeli.

Pedidos e preces para o pós-pandemia

“Rezemos hoje pelos governantes, os cientistas, os políticos, que começaram a estudar a saída, o pós-pandemia. Esse ‘depois’ já começou. Que eles encontrem a estrada correta, sempre em favor das pessoas”, falou ao iniciar a missa.

O pontífice destacou a importância do valor a vida, em detrimento do dinheiro. “Também hoje, perante ao fim próximo da pandemia há a mesma opção: ou a nossa aposta será pela vida, pela ressureição dos povos, ou será pelo deus dinheiro e a volta para o sepulcro da fome, da escravidão, das guerras das fábricas de armas, das crianças sem educação. Ali é o sepulcro”.

“Seja na vida pessoal ou na vida social, sempre nos ajude a escolher o anúncio, o anúncio de que o horizonte está aberto, sempre, que nos leve a escolher o bem das pessoas, e nunca descer ao sepulcro do deus dinheiro. Como sempre, quando não servimos Deus, o Senhor, servimos o outro deus, o dinheiro. Lembremos o que Jesus disse, que são dois senhores: o Senhor Deus e o senhor dinheiro, e não se pode servir a ambos”, destacou como alerta.

Oração contra a violência doméstica

“Hoje, gostaria de recordá-los do que muitas mulheres fazem, inclusive neste momento de emergência de saúde, para cuidar de outros”, começou o Santo Padre. Em seguida, citou todas as profissionais que tem se dedicado ao bem-estar da população e se exposto ao vírus devido ao trabalho: “médicas, enfermeiras, agentes das forças de segurança e agentes penitenciárias, funcionárias de lojas de produtos de primeira necessidade… e muitas mães e irmãs que estão trancadas em casa com toda a família, com crianças, idosos e deficientes”.

Francisco voltou sua oração contra a violência para aquelas que sofrem com algum tipo de pressão psicológica ou ataques físicos em casa. “Às vezes, correm o risco de ser submetidas à violência por uma convivência da qual levam uma carga muito grande. Oramos por elas, para que o Senhor lhes dê forças e que nossas comunidades possam apoiá-las, juntamente com suas famílias (…) Que o Senhor nos dê a coragem das mulheres para seguir em frente”.

Realidades e precauções

Na Itália, um dos polos atuais de propagação da Covid-19, o governo liberou a verba de, aproximadamente, 30 milhões de euros destinados a prevenção da violência contra a mulher durante esse período de reclusão e proibição de deslocamento.

A ministra da Igualdade e Família, Elena Bonetti, também divulgou uma campanha, na qual incentiva vítimas de agressões domésticas de ligarem para um número específico e denunciarem atos de brutalidade.

Por sua vez, no Brasil, o número de criminação aumentou consideravelmente em apenas uma semana de isolamento. No Rio de Janeiro, por exemplo, foi registrado um crescimento de denúncia de 50%. Como prevenção, a Polícia Civil de São Paulo começou no dia 3 de abril, a registrar os crimes de violência doméstica e familiar pela internet.

A Delegacia Eletrônica tem como princípio melhorar o acesso daqueles que estão em isolamento, tornando as respostas mais rápidas. Somente as queixas por estupros e estupros de vulnerável ainda precisam ser feitas presencialmente nas delegacias do estado.

 

Leia também: