Mendoza é a terra do sol e do vinho na Argentina

Mendoza é a terra do sol e do vinho é também um convite à aventura, além de oferecer sabores e paisagens de tirar o fôlego.

Por Vinicius Galico - 05/10/2017
Mendoza

Foto: Wikimedia Commons

Misto de vida rural e urbana, Mendoza é uma das oito capitais mundiais do vinho. As outras sete são: Melbourne (Austrália), Bordeaux (França), San Francisco-Napa Valley (Estados Unidos), Porto (Portugal), Bilbao-Rioja (Espanha), Cidade do Cabo (África do Sul) e Florença (Itália). Mas esse é só um de seus atrativos. Mesmo para quem não aprecia os prazeres da bebida favorita dos deuses, não faltam roteiros.

A região oferece opções para adeptos da prática de esportes radicais, como rafting, alpinismo e trekking, bem como para quem prefere passeios mais pitorescos e não tão arriscados, como cavalgadas pela belíssima região pré-andina. No inverno, a neve é generosa para esquiadores. A província conta com três grandes centros de esqui: Vallecitos, Penitentes e a internacionalmente famosa Las Leñas, situada próxima a Malargüe, cidade ao sul da capital mendocina.

Também famosa, a gastronomia cuyana — o nome refere-se à região norte da província, onde está a cidade de Mendoza — é de dar água na boca. Além disso, a cidade tem uma vida noturna intensa, com dois cassinos, diversas danceterias,bares e pubs. Some-se a isso uma eficiente e bem estruturada rede hoteleira e a diversão está garantida.

O vinho em sua plenitude

As bodegas (em português, adegas) mendocinas não são apenas produtoras dos melhores vinhos da América do Sul. Boa parte delas possui restaurantes próprios ou proporcionam almoços e piqueniques ao ar livre, quase sempre próximos ou em meio aos vinhedos, já que as chuvas são bastante escassas por lá. É o chamado enoturismo, uma das atividades que mais movimentam a economia local.

Mendoza

Foto: Divulgação/Secretaria de Turismo da Argentina

Mendoza: memória viva

Com mais de 400 anos de história, Mendoza tem muito o que contar. A lembrança mais marcante, entretanto, não é das melhores. Trata-se de um terremoto de 7,2 graus na escala Richter que arrasou a cidade em 1861 e vitimou entre seis mil e dez mil pessoas em uma população estimada em 20 mil habitantes. A catástrofe não deixou pedra sobre pedra e a cidade teve de ser reerguida em outro local. Para conhecer melhor essa trágica história, visite o Museo de la Area Fundacional, projetado especialmente para preservar a memória da antiga Mendoza. Trata-se de um verdadeiro centro cultural construído no sítio arqueológico da cidade velha, que inclui as ruínas de São Francisco, um antigo templo jesuíta e a Plaza Pedro del Castillo, que tem uma câmara subterrânea onde estão preservados os restos de uma fonte construída em 1810. Após enriquecer o repertório cultural, relaxe no pitoresco Parque O’Higgins, área verde vizinha ao museu.

Mendoza

Além de fornecer um dos melhores vinhos do mundo, os vinhedos de Mendoza também oferecem um espetáculo aos olhos. Foto: Flickr/xxxx

Vencendo o deserto

Quem vê a arborizada Mendoza talvez não consiga imaginar que se trata de um oásis artificial. Isso é possível graças a um engenhoso sistema que represa a água do degelo dos Andes em diques gigantescos e depois a leva até a cidade, onde é distribuída por uma rede de 500 quilômetros de canais. Uma admirável obra que prova a capacidade humana de desafiar a natureza. Esse sistema, aliado ao clima e ao solo especiais para o cultivo de uva, contribuiu bastante para Mendoza tornar-se a
meca do vinho na Argentina, com nada menos que 70% de toda a produção do país.

LEIA TAMBÉM