Como evitar a intoxicação infantil dentro de casa?

Saiba como prevenir esses acidentes com as crianças e quem procurar caso ocorram

Por Érica Aguiar - 05/06/2017
embalagem produto de limpeza com tampa laranja e liquido azul

Evite que as crianças alcancem produtos de limpeza mantendo-os dentro de armários altos e fechados (FOTO: Frank Peter Funke/Glow Images/Latinstock)

Principal causa de internação de crianças, a intoxicação ainda é um dos motivos que mais preocupam os pais e profissionais da área de saúde infantil. De acordo com uma pesquisa do Sistema Nacional de Informações Tóxico-Farmacológicas da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), crianças menores de 5 anos representam 35% dos casos de intoxicação por medicamentos no Brasil.

Como ocorre a intoxicação?

Existem três causas para a intoxicação infantil: a ingestão de medicamentos e substâncias tóxicas ou venenosas, a intoxicação alimentar e o contato com animais peçonhentos. As principais ocorrências de intoxicação são acidentais, pois a criança é atraída pela caixinha do medicamento colorido ou pelas embalagens do produto de limpeza, e isso aguça a curiosidade dela, que vai querer mexer e até tomar o conteúdo.

O pediatra Sérgio Sarrubbo, diretor do Hospital Estadual Darcy Vargas, unidade de referência em atendimento infantil em São Paulo, enfatiza que os medicamentos são ingeridos por crianças que os encontram em local de fácil acesso, deixados pelos adultos. “Guardar medicamentos em locais inadequados pode exercer atração visual nas crianças, o que as deixam mais expostas a esse tipo de acidente”, afirma.

 O que fazer para prevenir?

Algumas dicas para aplicar diariamente podem ajudar a manter os pequenos longe de produtos de limpeza e outras substâncias tóxicas:

  • Manter todos os produtos tóxicos em local seguro e trancado, fora do alcance das mãos e dos olhos das crianças, de modo a não despertar sua curiosidade.
  • Pílulas coloridas, embalagens e garrafas bonitas, brilhantes e atraentes, odor e sabor adocicados despertam a atenção e a curiosidade natural das crianças. Não estimule essa curiosidade!
  • É importante que a criança aprenda que remédio não é bala, doce ou refresco; quando sozinha, ela poderá ingerir o medicamento. Lembre-se: remédio é remédio.
  • Evite ingerir medicamentos na frente das crianças.
  • Não dê remédio no escuro para que não haja trocas perigosas e mantenha sempre os medicamentos nas embalagens originais.
  • Cuidado com medicamentos de uso infantil e de adulto com embalagens muito parecidas.
  • Guarde produtos de limpeza longe dos alimentos.
  • Antes de jogar fora uma embalagem, despeje todo o conteúdo na pia ou vaso sanitário.
  • Jogue fora os remédios vencidos.
  • Não reutilize embalagens de refrigerantes ou sucos para guardar produtos tóxicos. As crianças podem se confundir e ingeri-los sem saber.
menina tapando boca vidros de remédio e bebê segurando detergente

Remédios e produtos de limpeza são as principais causas de intoxicações infantis (FOTOS: Thinkstock/Getty Images)

Como identificar a intoxicação infantil?

Segundo o pediatra, muitas vezes, os pais pegam a criança em flagrante e então é possível identificar o que foi tomado e a quantidade para explicar ao médico. “Tenha sempre em mente o pronto socorro mais próximo de onde você está”, alerta Sérgio. Vá imediatamente a uma unidade básica de saúde e leve a embalagem do produto.

Os tipos de medicamentos que mais causam ocorrências de intoxicação infantil são os psicotrópicos e anticonvulsivos. O pediatra esclarece sobre os sintomas que esses remédios provocam: “Se a criança está com comportamento estranho, com sonolência ou prostração, não recorre à estímulos, com baixa coordenação motora e os sintomas não estão acompanhados de febre, então existe a suspeita de que ela possa ter ingerido algo”. Além disso, sintomas como irritação das mucosas (olho, nariz e boca), queimaduras nos lábios, irritações na pele e insuficiência respiratória podem ser outros sinais de que as crianças tiveram contato com um produto tóxico.

Em caso de dúvida, também é possível ligar gratuitamente para o Centro de Intoxicações da sua região, que oferece orientação em caso de emergência infantil provocada por exposição à intoxicação e envenenamento.

LEIA TAMBÉM

Texto: Redação Alto Astral

Consultoria: Sergio Sarrubbo, pediatra e diretor técnico do Departamento de Saúde no Hospital Infantil “Darcy Vargas” da Secretaria Estadual de Saúde de São Paulo.