O excesso de elogios pode ser prejudicial. Entenda

Embora gostemos de receber elogios, fazê-los descabidamente pode ser prejudicial. Isso significa que, quando os incentivos foge...

Pessoas, mulheres, fofocando
O excesso de elogios, pode contribuir para o desenvolvimento de uma relação pautada na falsidade, onde a intimidade não se faz presente. FOTO: Reprodução/Shutterstock Images

Embora gostemos de receber elogios, fazê-los descabidamente pode ser prejudicial. Isso significa que, quando os incentivos fogem à realidade, podem fazer com que o elogiado acredite em algo que não é real ou não considere a opinião como verdadeira. “Você motiva o outro a ir por um caminho no qual você mesmo não acredita, construindo assim uma base falsa de relacionamento. Neste caso, a intimidade não se faz presente”, pontua João Alexandre Borba, psicólogo e co-CEO no Instituto Internacional Japonês de Coaching.

Pessoas, mulheres, fofocando

O excesso de elogios, pode contribuir para o desenvolvimento de uma relação pautada na falsidade, onde a intimidade não se faz presente. FOTO: Reprodução/Shutterstock Images

Má fama anunciada

A pessoa que elogia outras, de forma superficial e imprópria, acaba também por ter sua opinião desvalorizada e caracterizada, por exemplo, como o conhecido “puxa-saco” do chefe, da professora, ou mesmo dos amigos. O resultado disso pode ainda ser maléfico para quem for paparicado: há a possibilidade de se sentir inseguro ou desconfortável. “Uma coisa é você motivar a pessoa, outra é elogiar demais”, destaca o psicólogo.

 

LEIA TAMBÉM

 

Texto: Érica Aguiar Edição: João Paulo Fernandes Consultoria: João Alexandre Borba, psicólogo e co-CEO do Instituto Internacional Japonês de Coaching