Entenda como o excesso de peso pode prejudicar seu organismo

O excesso de peso é um fator de risco que pode gerar danos graves ao organismo. Saiba como identificar esse problema e livrar-se dele!

mulher segurando uma balança
Foto: Shutterstock.com

A obesidade é considerada hoje uma epidemia mundial que pode provocar uma série de complicações físicas e psicológicas, tais como hipertensão, colesterol alto, acidente vascular cerebral, osteoporose, disfunção sexual e até depressão. De acordo com o endocrinologista Josivan Gomes Lima, de Natal (RN), o que caracteriza a obesidade como doença com necessidade de tratamento é que para ser obeso não basta ter uma alimentação errada, precisa também estar com o metabolismo alterado, hormônios e neurotransmissores desregulados, favorecendo o ganho de peso. Além de doenças, o excesso de peso traz consequências emocionais. “Baixa autoestima e depressão não são raras em pacientes obesos, além de isolamento social. Em alguns pacientes, comer de forma compulsiva pode ser o fator contribuinte da obesidade”, relata o endocrinologista. Sem contar que, se a obesidade se manifestar junto com fatores agravantes, tais como aumento de colesterol, hipertensão arterial, tabagismo, sedentarismo e histórico familiar de doenças cardiovasculares, a qualidade de vida dos obesos pode piorar ainda mais.

mulher segurando uma balança

Foto: Shutterstock.com

Como identificar o excesso de peso?

Para avaliar o excesso de peso é preciso fazer um cálculo que revela o seu Índice de Massa Corporal (IMC – veja como descobrir o seu na matéria da página 24). Para Josivan, apesar de falhar em relação a localização do excesso de peso (gordura visceral ou subcutânea), o IMC ainda é o melhor método para se avaliar a presença da obesidade.

Levantamento divulgado pelo Ministério da Saúde concluiu que no Brasil:

A cada ano, cresce em 1% o número de pessoas com excesso de peso. No grupo dos obesos, o aumento é de 0,5% anual.

– Caso o país mantenha os atuais índices, daqui 13 anos deverá alcançar os níveis de sobrepeso e obesidade registrados nos Estados Unidos.

Mulheres brasileiras com menor escolaridade têm percentual mais elevado e são as maiores vítimas do problema.

O brasileiro está consumindo menos feijão, mais leite integral – com gordura – e bastante carne com gordura aparente.

O estudo aponta ainda que somente 18,2% dos brasileiros adultos consomem cinco porções diárias ou 400g de frutas e hortaliças, quantidade recomendada pela Organização Mundial da Saúde.

LEIA TAMBÉM