Dieta durante a gravidez: esse hábito pode prejudicar as gestantes e seus bebês

Fazer dieta durante a gravidez não é indicado, mas manter hábitos de vida saudáveis, sim. Entenda o ponto de vista dos especialistas no assunto!

mulher em frente a um prato cheio de comprimidos, fazendo dieta durante a gravidez
Foto: Shutterstock.com

Que toda mulher gosta de manter o corpo em forma todo mundo sabe. Agora, na gestação, é normal e até saudável ganhar alguns quilinhos. Por que, então, algumas mulheres fazem dieta durante a gravidez? Conheça os perigos desse hábito, chamado pela medicina de pregorexia.

Dieta durante a gravidez: mania arriscada

• Pregorexia é um termo em inglês que deriva da junção de “pregnancy” (que significa “gravidez”) e “orexia”, originária de “orexis” (apetite).
• Essa nova palavra designa um sério problema de saúde que ocorre quando uma mulher grávida diminui radicalmente as calorias da dieta e realiza atividades físicas em excesso para controlar seu peso.
• Hábitos como esse, se não forem percebidos a tempo, podem acarretar riscos para a mãe e, principalmente, para o bebê.

De onde vem?

• O primeiro motivo que leva as mulheres a lutarem contra a balança, e fazerem dieta durante a gravidez, são os atuais padrões de beleza.
• De acordo com a nutróloga Maria Del Rosario, a valorização cultural da magreza, com imagens de mulheres grávidas magérrimas, geralmente famosas, contribuem para o início dos quadros de pregorexia.
• “As dietas da moda e os planos de exercícios físicos exagerados durante a gravidez e sem acompanhamento médico adequado podem causar graves consequências à saúde”, alerta a especialista.

Para onde vai?

• Um bom estado nutricional é fundamental para que a gestação transcorra sem quaisquer complicações.
• O peso abaixo do adequado pode indicar falta de nutrientes no organismo, o que aumenta as chances de nascimentos prematuros e crescimento restrito do feto, além dos riscos de morte para a mãe.
• “As grávidas que já tiverem algum transtorno alimentar podem ter outros problemas mais graves, como, por exemplo, complicações cardiovasculares, digestivas, endócrinas, hematológicas e ósseas”, complementa a nutróloga.
• Além disso, fatores psicológicos, genéticos, biológicos e familiares podem fazer com que a pregorexia evolua para outros tipos de transtornos alimentares, como a bulimina e a anorexia.

Cuide-se!

• Segundo a médica, quanto antes for diagnosticado o quadro, maior a possibilidade de total recuperação.
• Por isso, os médicos precisam saber diferenciar mulheres com sinais de transtorno alimentar daquelas que apenas estão descontentes com a imagem corporal.
• Uma gestante com pregorexia precisa ser acompanhada por nutrólogo ou nutricionista e psiquiatra ou psicólogo para que receba um tratamento completo.

Quilinhos saudáveis

Para que você se mantenha saudável, a Associação Brasileira de Nutrologia informa o ganho de peso ideal durante a gestação, de acordo com os seu peso inicial ao engravidar. Se você tiver:

• Baixo peso: você pode engordar de 12,5 a 18Kg.
Peso adequado: seu ganho de peso deve ficar entre 11,5 a 16Kg.
Sobrepeso: os quilinhos a mais devem estar entre 7 a 11,5Kg.
Obesidade: caso você esteja com muito excesso de peso, o ideal é que engorde, no máximo, 7Kg.

Texto: Giovana Sanches | Consultoria: Maria Del Rosario, nutróloga e diretora da Associação Brasileira de Nutrologia (ABRAN)

LEIA TAMBÉM