Como organizar a rotina de estudos dos filhos

É importante que os pais ajudem seus filhos para obter melhor aprendizado. A pedagoga Francisca Paris tem 6 dicas para organizar a rotina de estudos!

Mãe ajudando filho nos estudos
FOTO: Shutterstock

No período escolar, é importante que os pais ajudem seus filhos para obter melhor aprendizado. A pedagoga Francisca Paris, diretora de serviços educacionais da Editora Saraiva, enumera 6 maneiras de organizar a rotina de estudos das crianças. Confira!

Meninas estudando com tablet

FOTO: Shutterstock

1 – Tenha uma agenda para registrar atividades e horários

“Não podemos confiar na memória! Quando se tem organização e se sabe o dia certo para entregar cada trabalho, o aluno se dedica na ordem certa, de acordo com as datas”, afirma.

2 – Cumpra o horário escolar

Segundo a especialista, quem chega atrasado perde a explicação inicial de como será a atividade do dia e quais materiais serão usados.

3 – Incentive o uso de vários materiais de consulta

“Claro que a internet tem tudo, mas há outras opções de pesquisa, como arquivos de fotografia, periódicos e livros. O importante é saber consultar”.

Crianças estudando juntas

FOTO: Shutterstock

4 – Estimule os estudos diários

“Estudar às vésperas de uma prova é péssimo, porque se conta somente com a memória e não se aprende de fato. Estudar diariamente é o ideal, porque aprende-se um pouco por dia”, complementa.

5 – Aluno bom é aquele que tem dúvidas

“Escola é o lugar de perguntar, então temos que estimular as crianças a perguntar. Não existe pergunta boba, o aluno pode perguntar qualquer coisa”.

6 – Mantenha um espaço em casa para o estudo

Crianças e jovens são capazes de fazer várias atividades ao mesmo tempo, mas estudar exige concentração e dedicação. Francisca sugere estudos diários de meia hora.

Dica: “Os pais devem perguntar aos filhos como foi o dia, o que teve de bom e o que não ficou claro no que aprenderam, e participar das atividades da escola. Mesmo que não possam ajudá-los, farão parte da vida deles”, afirma a especialista.

Fonte: Francisca Paris, pedagoga.

LEIA MAIS