Bebidas alcoólicas: confira como ela age no organismo!

Bebidas alcoólicas: confira como elas agem no organismo!

Os malefícios das bebidas alcoólicas todo mundo conhece bem, porem nunca é demais saber mais sobre o assunto. Entenda mais como ela age no organismo!

mulher bêbada
Foto Istock.com/Getty Images

Apreciadas no mundo inteiro, as bebidas alcoólicas trazem uma sensação momentânea de bem-estar e alegria. Porém, em excesso, podem resultar em sérias consequências para o próprio alcoólatra e para quem está próximo.

 

mulher bêbada

Foto Istock.com/Getty Images

 

Por que vicia?

Segundo a psicóloga Terezinha Luna de Oliveira, algumas pessoas podem ser mais vulneráveis, devido a fatores genéticos, personalidade, impulsividade ou influências ambientais. Ao ingerir bebida alcoólica, vários receptores do cérebro são ativados:

  • Benzodiazepina, responsável pela mediação dos efeitos do álcool;
  • Glutamato, principal neurotransmissor estimulante;
  • Serotonina, que dá a sensação de prazer;
  • Dopamina, que atua na mediação do prazer que as bebidas trazem.

“Só mais um copo”

Essa é a frase mais usada pelo alcoólatra que, na maioria das vezes, não é cumprida. Veja o que as bebidas alcoólicas em excesso podem causar:

  • Em excesso causa  a diminuição da resistência do cérebro e este recebe menos oxigênio;
  • Baixa na temperatura do corpo;
  • Inflamação e paralisação das funções do estômago e gastrite;
  • Respiração e reflexos lentos;
  • Mudanças de humor;
  • Fala e movimentos prejudicados;
  • Demência alcoólica;
  • Síndrome de Wernicke – Korsakoff (distúrbio degenerativo do cérebro) e Demência por corpos de Lewy (perda de memória e alucinações).

A hora de parar

Para cada pessoa existe um tratamento. “Apesar do tratamento, muitos acabam por ter uma recaída ou até cometer suicídio”, conta a psicóloga. As principais formas de ajuda são:

  • Tratamento psicossocial (entrevista, treino de habilidades, automonitoração, entre outras);
  • Psicoterapia individual;
  • Terapia de grupo;
  • Terapia para casais.

 

Leia também: 

Consultoria Terezinha Luna de Oliveira, psicóloga