Saiba como melhorar a alimentação do seu filho e proteja-o da obesidade

Crianças com uma alimentação inadequada podem se tornar adultos obesos e terem uma vida cheia de preocupações, por isso ensine o que comer desde cedo

Rosto no pão, alimentos para as crianças, fundo branco
Foto Shutterstock.com

Como saber se as refeições das crianças estão adequadas? A preferência da criançada, na maioria das vezes, é por alimentos gordurosos e industrializados que, consequentemente, são os que possuem alto teor de açúcar. Porém, é importante ressaltar que estes tipos de alimentos possuem um valor nutricional muito baixo, já que os componentes mais prejudiciais à saúde são utilizados em excesso durante a fabricação com o intuito de realçar o sabor.

Rosto no pão, alimentos para as crianças, fundo branco

Foto: Shutterstock

Fase de crescimento

Nessa fase da vida, as crianças necessitam de uma quantidade maior de nutrientes no organismo, pois ainda estão se desenvolvendo fisicamente. Também é na infância que se aprende a gostar dos alimentos, então, se uma criança se acostuma a comer verduras e legumes, certamente será muito mais saudável na vida adulta, podendo assim seguir uma alimentação balanceada e nutritiva por toda a vida. Mas não é preciso cortar absolutamente tudo o que as crianças gostam de comer de uma hora para outra.

“A reeducação alimentar junto às crianças demanda uma forma diferente de abordagem. Devemos ser claros sobre os problemas da alimentação ruim. Mas nada de restrições drásticas. Elas precisam entender que podem comer as besteiras que tanto amam, porém com uma frequência menor. Aconselho negociar e fazer trocas para aos poucos ganhar a confiança da criança e conseguir colocá-la na linha”, informa a nutricionista Paula dos Santos Ribeiro.

Alimentação adequada

A reeducação alimentar é aconselhada para todas as pessoas, independentemente da idade. No caso das crianças, alguns alimentos podem ser substituídos aos poucos, evitando assim, causar um impacto muito grande e provocar a rejeição delas em relação à nova dieta. Lembrando que não é preciso eliminar todas as comidas favoritas do cardápio, mas sim, balancear.

“A reeducação alimentar mostra que podemos comer de tudo, porém com cautela. Não podemos comer guloseimas todos os dias, mas, sim, fazê-lo em datas festivas, dia especial ou mesmo em algum momento no final de semana. Não precisamos cortar tudo o que gostamos; precisamos é saber ingeri-las nas ocasiões certas”, completa Paula.

O cardápio ideal

Algumas medidas simples podem fazer com que a reeducação alimentar dos pequenos seja mais fácil de se aplicar. Confira algumas dicas:

  • Substituir leite integral por semidesnatado.
  • Diminuir a quantidade de achocolatado na hora de preparar o leite.
  • Trocar bolachas recheadas pelas sem recheio.
  • Substituir salgadinhos fritos por assados.
  • Trocar refrigerantes por sucos naturais.
  • Consumir frituras apenas 1 vez por semana.
  • Doces devem ter o consumo reduzido o máximo possível.
  • Estimular o consumo de frutas nos lanches.
  • Realizar as refeições em um horário fixo.
  • Sempre oferecer legumes, mesmo que seja preciso escondê-los no prato.
  • Não esquecer de estimular ao máximo a ingestão de água.

Prato colorido

Soltar a criatividade na hora de montar o prato é uma ótima saída para a inserção de verduras e legumes na dieta das crianças. Misturar cores e até mesmo montar imagens divertidas fará com que elas fiquem descontraídas e consumam os alimentos nutritivos de uma maneira mais tranquila.

LEIA TAMBÉM:

Consultoria: Paula dos Santos Ribeiro, nutricionista

Texto: Paula Santana