#girlpower: 5 mulheres que revolucionaram a história em diferentes épocas

Conheça a história de 5 mulheres que se destacaram em seu período por grandes feitos nas mais diversas áreas, como ciência e política

imagem de 5 mulheres que mudaram o mundo
Essas 5 mulheres tiverem papel de destaque em suas áreas de atuação. Fotos: Wikimedia Commons

A história costuma ser escrita, ou melhor, descrita, baseada em feitos de grandes homens. Não porque todos os feitos e grandes fatos se devam exclusivamente à eles, mas sim pelo machismo da sociedade que ao longo de séculos vem ofuscando o mérito de grandes mulheres. No entanto, apesar de o caminho ainda ser longo, cada vez mais mulheres vêm assumindo lugares de destaque e tendo seu devido reconhecimento. São inúmeras as mulheres importantes para a história, mas hoje, escolhemos 5 delas para contar um pouco sobre as suas vidas.

Rainha Elizabeth I

Quem foi: Filha de Henrique VIII e Ana Bolena, Isabel I nasceu em 1533 e tornou-se Elisabeth I, rainha da Inglaterra. Também ficou conhecida como “A Rainha Virgem”, “Gloriana” ou “Boa Rainha Bess”.
Trajetória: Depois da execução de sua mãe Ana Bolena, Isabel foi declarada bastarda e viveu isoladamente. Anos depois, com a morte de sua meia-irmã, Maria Tudor, Isabel I foi reconhecida como herdeira e assumiu o trono, em 1558. Em seu reinado, combateu Felipe II da Espanha, que impedia a expansão inglesa. Ela também introduziu oficialmente o anglicanismo e liberou definitivamente o protestantismo na Inglaterra. Foi responsável por desenvolver o comércio e a indústria, além de apoiar o renascimento das artes. Apesar de suas ligações com vários nobres, a rainha nunca se casou e, portanto, não deixou herdeiros. Pouco antes de morrer, em 1603, reconheceu como sucessor do trono inglês, Jaime VI da Escócia, filho de Maria Stuart – sua prima e rival que havia mandado decapitar 16 anos antes.
Importância: Em seu reinado, a nação inglesa se tornou a maior potência econômica, política e cultural da Europa, tornando o período conhecido como a “Era de Ouro” do país. A Rainha Elizabeth foi responsável pelo governo mais benéfico da dinastia Tudor, que imperava na época. Antes de morrer, ainda viu a Inglaterra ser a dona dos mares, que antes eram dominados pela
Espanha.
Reconhecimento e legado: A monarca consolidou a igreja inglesa que ajudou a criar e sustentar uma identidade nacional que está presente até os dias atuais. Historiadores também apontam seu reinado como o mais próspero para a literatura e para as artes inglesas em geral, favorecendo o surgimento de grandes estudiosos, dentre eles, William Shakespeare.

Angela Merkel

Quem foi: Cientista e política alemã, Angela Merkel é chanceler do país desde 2005.
Trajetória: Nasceu em Hamburgo, em 1954, e estudou Física na Universidade de Leipzig, concluindo seu doutorado em 1986. Começou sua trajetória política com a filiação ao partido Despertar Democrático logo após a unificação da Alemanha em 1989.
Importância: Desde 2000, é líder da União Democrata-Cristã (CDU). Assumiu as funções de Ministra Federal da Mulher e Juventude, do Ambiente, Conservação da Natureza e Segurança Nuclear.
Reconhecimento e legado: Angela é a primeira mulher eleita pelo parlamento alemão. Governou o país durante toda a crise econômica que se iniciou em 2008 e manteve a Alemanha como a potência mais forte da União Europeia. Foi considerada pela revista Forbes a segunda pessoa mais poderosa do mundo, a mais alta colocação conquistada por uma mulher.

Foto de Angela Merkel

Apelidada de “Mutti” (Mamãe) pelo povo alemão, Merkel governa a Alemanha desde 2005. Foto: Wikimedia Commons

Simone de Beauvoir

Quem foi: Escritora, ativista política e filósofa do movimento existencialista, Simone nasceu na cidade de Paris, em 1908.
Trajetória: Vinda de uma família burguesa, dedicou-se inteiramente aos estudos. Concluiu sua graduação em filosofia no ano de 1929, mesma época que conheceu Jean-Paul Sartre, seu companheiro em um relacionamento aberto. Ao lado do também filósofo, fundou o periódico Les Temps Modernes. A francesa lecionou em diversas instituições entre 1941 e 1943.
Importância: Sua obra de destaque, O Segundo Sexo, foi lançada em 1949 e atingiu o status de clássico feminista. As publicações de sua autoria (ensaios, monografias, romances, autobiografias e biografias) possuem temáticas filosóficas, políticas e sociais.
Reconhecimento e legado: Considerada uma das figuras mais influentes do feminismo, Simone ficou conhecida por levantar discussões sobre as mulheres e por romper uma tradição na qual elas eram coadjuvantes. Ganhou o prêmio literário Goncour por seu livro Mandarins.

Rosalind Franklin

Quem foi: Biofísica nascida em Londres, em 1920.
Trajetória: Decidiu dedicar-se à ciência, mesmo com a desaprovação do pai, e concluiu o seu doutorado em 1945. Trabalhou em diversos laboratórios e grupos de pesquisa.
Importância: Inserida em um contexto no qual a mulher era desvalorizada, deixou para a ciência um legado importantíssimo no estudo do DNA. Há quem acredite que Rosalind foi injustiçada, já que os homens que trabalharam com ela receberam, após sua morte, o prêmio Nobel pela pesquisa.
Reconhecimento e legado: Conhecida como “mãe do DNA”, utilizou-se da técnica de difração dos raios-X para pesquisar e descobrir que a estrutura do ácido desoxirribonucléico, o DNA, é helicoidal.

Malala Yousafzai

Quem é: Uma jovem de apenas 19 anos, ativista paquistanesa, nascida no dia 12 de julho de 1997.
Trajetória: A taxa de analfabetismo entre as mulheres na cidade de Mingora, no Vale Swat, é superior a 60%. Com a proibição política, a qual não permitia que as mulheres frequentassem escolas, Malala começou, em 2009, a escrever o blog “Diário de uma estudante paquistanesa” para a BBC urdu, com o pseudônimo Gul Makai. Em 2012, homens armados entraram no ônibus escolar onde estava e perguntaram por ela. Quando a identificaram, um homem atirou em sua cabeça – a bala atravessou o pescoço e atingiu outras meninas que estavam no ônibus.
Importância: É conhecida principalmente pela defesa dos direitos humanos das mulheres e do acesso à educação.
Reconhecimento e legado: Em 2011, recebeu do primeiro-ministro Yousaf Paza o Prêmio Nacional da Paz. Em 2014, tornou-se a vencedora mais jovem de um prêmio Nobel, o da Paz.

Foto de Malala Yousafzai

Malala tornou-se destaque mundial ao ser a pessoa mais jovem ao ganhar um Prêmio Nobel da Paz. Foto: Wikimedia Commons

 

LEIA TAMBÉM