Entrevista com Otaviano Costa

Avalie

Frente ao desafio de interpretar um homem e também uma mulher, o ator fala dos personagens

Em Morde & Assopra, Otaviano Costa é o machão Élcio e, ao mesmo tempo, a meiga Elaine. Em frente a esse desafio, uma coisa podemos ter certeza: terá muita comédia ainda por vir. O ator conta como tem se preparado para viver os personagens e garante que humor não falta! Confira:

Entrevista com Otaviano CostaGuia da TV: Foi difícil construir esse personagem?

Otaviano: “Eu tenho uma prática de composição de personagem em que eu não gosto muito de olhar nada do universo. Por exemplo, o personagem é um machão que se veste de mulher, não é uma mulher e nem vai ser um gay. Ele é um machão, vai ter aquele desconforto de se vestir de mulher, de pintar a unha, de usar salto. Não gosto de observar trabalhos de outros atores que fizeram a mesma coisa, até porque eu gosto do meu trabalho intuitivo. Gosto de ir pelo caminho que meu coração e minha cabeça traçam para o personagem. Preferi também não me vestir, não ficar andando montado em casa, para cima e para baixo, para que, assim como o Élcio, eu também me sinta desconfortável inicialmente. Não quis ficar muito à vontade com isso, porque quero ter problemas também, como tive com os cílios. Quando usei pela primeira vez, fiquei levantando o olho toda hora porque parecia que tinha cola no olho. Mulher sofre, hein?! O salto, por enquanto, não estou usando, senão vira uma girafa (risos). Mas vamos ver, acho que o Walcyr pode querer colocar salto também. O mais difícil, por enquanto, tem sido os cílios. Eles precisam de uma cola no olho que parece uma remela (risos).”

Guia da TV: Esse é um personagem cômico, assim como seu último trabalho como ator na TV, em “Caras & Bocas”. O que você acha disso?

Otaviano: “A comédia está mais ligada ao meu jeito de ser. Não prefiro focar na comédia, mas ela está mais ligada a mim, ao meu cotidiano. Brinco com a Flávia (Alessandra) dizendo que o nosso amor foi “bom humor à primeira vista”. Mas é óbvio que, como ator, não posso ficar só neste universo. O Bruno Molinari foi genial para mim (em “Amor e Intrigas”, da Record). Foi um trabalho tão importante quanto este de comédia. O valor de ambos universos, na minha carreira, é muito grande. Vou tentar buscar e equilibrar isso na minha profissão para não ficar só em um caminho e, aí, é até perigoso ficar taxado como um cara de comédia e nada mais. Não é uma preocupação, eu vou deixando acontecer, mas tento direcionar, conversar e buscar uns caminhos diferentes o tempo todo.”

Guia da TV: Você sente falta de interpretar outros tipos de papéis?

Otaviano: “O “Bruno” era tudo, ele tinha milhares de situações, era um vilão da alta sociedade. Eu não tenho pudores, se precisar me transfigurar para fazer, eu faço. É essa a minha proposta de vida, por isso, eu voltei a interpretar: para não me dar limites.”

Guia da TV: Como você se analisa?

Otaviano: “Sou muito crítico. Desde a época de programas de televisão, eu olhava, revia, analisava. Sou muito chato comigo mesmo e falo, graças a Deus, porque na hora em que eu me achar o bom, o máximo, vai estar na hora de mudar.”

Guia da TV: Como é trabalhar com o Walcyr Carrasco novamente?

Otaviano: “É uma honra fazer a segunda novela consecutiva do Walcyr. É sempre uma delícia, admiro muito o trabalho dele. Quando pintou o convite da Record foi até engraçado, porque o Walcyr falou “poxa, por que você não avisou que queria interpretar?”. Na época, ele estava com a novela “Sete Pecados”. Depois da Record, ele reviu meu trabalho e me convidou para “Caras & Bocas”. Admiro muito o Walcyr como pessoa e autor.”

Guia da TV: O que acha de trabalhar junto com sua esposa, a atriz Flávia Alessandra?

Otaviano: “Acho que o mais bacana é os dois estarem felizes com essa novela. Estamos entusiasmados e sabemos que ambos têm nas mãos personagens especiais, mas acho que eles não vão se encontrar. Acho bem difícil, se bem que, com o Walcyr Carrasco, tudo é possível. Na última novela, por exemplo, nos cruzamos. Mas apenas três cenas.”

Guia da TV: Vai ser difícil manter as coisas em casa com você e a Flávia trabalhando tanto?

Otaviano: “Mas tem que trabalhar, né (risos)! Vai ser legal! Como trabalhamos em família, vamos ter férias juntos.”

Texto: Larissa Faria
Entrevista: Marvio Gonçalves/Colaborador
Foto: Márcio Nunes/Rede Globo

Mais lidas