Surpresa com o namorado da amiga

Avalie

Começou com um olhar intenso na hora do jantar. Me senti nua ao ser encarada daquele jeito! Mas será que o namorado da minha colega estava mesmo me paquerando? Está certo que ele era muito atraente: loiro, alto, corpo sarado e pele bronzeada. Os dois estavam se relacionando há algumas semanas e – preciso confessar – desde o começo, o moço chamou a minha atenção. Só não imaginei que ele seria assim tão safado! Também não estava nos meus planos corresponder àquelas investidas. Embora a namorada dele não fosse exatamente uma grande amiga (apenas morávamos juntas para dividir despesas), será que meu comportamento não era condenável? Mas quem disse que a gente manda no coração? Quase todos os dias, o casal jantava comigo. E foi num desses jantares que comecei a sentir o interesse do Júnior crescer. Ele olhava com tesão para mim, reparava em cada movimento meu. Puxava conversa, procurava tocar no meu cabelo quando falava comigo. Minha colega, distraída, não percebia a aproximação dele. Determinada a passar em concurso público, ela se dedicava integralmente às apostilas, o que deixava o terreno livre para o namorado “ciscar” à vontade. Numa noite, ela disse que estava cansada e desejava ir para a cama mais cedo. Convidou Júnior para acompanhá–la, mas o futebol não havia terminado na TV e ele disse que preferia se deitar depois. Eu estava lendo na minha poltrona, mas fiquei atenta ao diálogo do casal. No fundo, torcia para a possibilidade de passar um tempo sozinha com ele. Quando ela se retirou, ele passou a ignorar a TV e começou a conversar. Perguntou sobre a minha vida, meus amores e também minha solidão:
– “Uma moça tão linda como você e sempre sozinha… Por quê?”
Aos poucos, a conversa rumou para sexo. Primeiro, ele disse que adorava experiências diferentes. Depois, revelou que a aventura mais excitante da sua vida seria fazer sexo proibido com alguém. Nessa hora, minha calcinha já estava completamente encharcada. Sem pensar muito, eu falei:
– “Por que você não aproveita a oportunidade, então?”
Foi a deixa para ele me levar até a lavanderia e me colocar sentada sobre a máquina de lavar. Júnior pediu silêncio para a gente não acordar a namorada, mas não inibiu seus movimentos: me beijou com muita sede e não perdeu tempo para erguer o meu vestido, enquanto abaixava as alcinhas e mordiscava os meus seios com muita vontade. A penetração, que não demorou nadinha, foi um show de gostosura. Ele era muito talentoso nas delícias do amor e me fez chegar ao orgasmo em poucos minutos. Gememos baixinho em orgasmos quase simultâneos e abraçamos nossos corpos suados e completamente satisfeitos. Depois daquele dia, viramos amantes. E, até hoje, a namorada dele não desconfia de nada…

Leia amanhã: “Madrugada proibida no ônibus”

Mais lidas