Inspire-se em Anastasia, de 50 tons de cinza, e libere-se na cama

Mulher de botas erguendo algemas

Foto: Thinkstock/Getty Images

O livro 50 Tons de Cinza, escrito por E.L. James, se tornou um best seller de grande sucesso entre o público feminino, servindo de inspiração para apimentar a vida sexual. Que tal usar a personagem Anastasia Steele para se inspirar na cama? Veja como apimentar a relação e se soltar mais na hora H:

Ficção e realidade

De acordo com a sexóloga Patrícia Cardoso, a ficção pode servir para estimular a criatividade das mulheres: “Embora haja uma grande diferença entre ficção e realidade, a descrição de um cenário perfeito e algumas dicas podem ser aproveitadas. As mulheres mais inibidas podem tentar ousar mais”.

Ela também revela que a personagem central pode servir de inspiração para as mulheres tímidas na cama: “Pessoas ‘travadas’ podem ter traumas e bloqueios que precisam ser tratados. Se a questão for apenas inibição, vale se inspirar um pouco”.

Chegando ao orgasmo

Muitas mulheres não conseguem chegar ao orgasmo e se frustram por conta disso. A literatura erótica pode ser uma boa solução para quem precisa estimular a imaginação e esquentar o clima. “A imaginação, a criatividade, a descrição das sensações experimentadas pelos personagens, tudo isso contribui bastante para chegar ao orgasmo”, conta Patricia.

A sexóloga ainda dá uma dica interessante para as mulheres: “Peça para o parceiro ler um capítulo. Assim o clima pode esquentar mais!”.

O homem dos sonhos

A especialista aponta que o personagem central, Christian Grey, é o sonho da maioria das mulheres. “O personagem é bonito, rico e sedutor. Além disso, dominador e viril. Sem dúvida, mexe com o imaginário feminino”, explica Patricia. Dica: tome cuidado para não misturar ficção com realidade e tentar exigir que o parceiro tenha as mesmas características do personagem.

Tema polêmico

Um dos assuntos abordados no livro que se tornou alvo de discussão foi o sadomasoquismo. Essa prática ainda é um tabu, mas 50 Tons de Cinza chegou para mostrar que não tem problema em querer ousar um pouquinho mais na relação sexual.

Contudo, a sexóloga aconselha: “Essa prática só deve acontecer com o consentimento do parceiro. Algumas pessoas apenas simulam o sadomasoquismo, usando algemas de pelúcia ou chicotes, mas sem a intenção de machucar. Apenas para apimentar a relação e quebrar a rotina. Mas há aqueles que se tornam perigosos, por sentirem muito prazer causando o sofrimento físico no outro. As regras existem até para os apreciadores da prática”.

Leia um trecho do livro e se inspire!

Quero tocá-lo. Movo as mãos, mas, como estou amarrada, toco-lhe o cabelo com bastante estupidez. Deixa de me beijar, levanta os olhos e move a cabeça de um lado a outro estalando a língua. Pega minhas mãos e volta a colocá-las acima da minha cabeça.

– Se mover as mãos, teremos que recomeçar – ele repreende-me suavemente.

Oh, ele gosta de me provocar.

– Quero tocar em você. – Digo-lhe ofegante, sem pode me controlar.

– Eu sei. – murmura – Mas deixe as mãos quietas – ele ordena. Sua voz é forte.

Ele levanta o meu queixo de novo e começa a beijar minha garganta como antes. Oh….

Suas mãos descem pelo meu corpo, sobre meus seios, enquanto seus lábios deslizam pelo meu pescoço. Acaricia-me com a ponta do nariz, e logo, com a boca, dá início a uma lenta travessia para o sul e ergue seu rastro de suas mãos, pelo esterno, até meus seios. Beija-me e me mordisca um, logo o outro, e me chupa suavemente os mamilos. Caramba.

Meus quadris começam a balançar-se e mover-se por conta própria, seguindo o ritmo de sua boca, e eu tento desesperadamente lembrar que tenho que manter as mãos acima da cabeça.

 

Consultoria:
Patricia Cardoso – Sexóloga
Sex Shop: www.peleeseducao.com.br

Blog: http://aflordapelesexologia.blogspot.com

 

Mais lidas