Mitos e verdades sobre bronzeamento

Avalie

Chegou  a estação mais esperada para aquelas que querem conseguir um novo bronzeado: o verão!  Mas muitas pessoas acabam fazendo loucuras em busca dessa nova tonalidade.

Com certeza você deve ter ouvido muitas receitas indicadas para quem quer conseguir o novo visual de forma rápida. Mas é preciso ter cautela.

Conversamos com a dermatologista Dra Daniela Lemes para esclarecer alguns mitos sobre esse assunto.

Mitos e verdades sobre bronzeamento

Foto: Glow Images/Latinstock

“Comer alimentos como cenoura ajudam a deixar a pele mais bronzeada.”

Verdade.  Alimentos de coloração amarela e laranja e folha verde-escura contém betacaroteno, nutriente que ajuda o organismo a formar a vitamina A e fixar o bronzeado. Eles auxiliam ainda no combate aos radicais livres, causadores do envelhecimento precoce, porque a vitamina A possui função antioxidante.

“Usar bronzeador é prejudicial para a pele.”

Verdade. Porque ele não protege a pele contra os efeitos nocivos do sol.

“Passar refrigerante de cola na pele e ir para o sol ajuda no bronzeamento.”

Mito. Esse hábito pode provocar queimaduras sérias na pele.

“Passar algum tipo de óleo na pele, como óleo de soja ou dendê, ajuda no processo de bronzeamento”

Mito. Não devemos aplicar nenhum tipo de óleo na pele quando nos expusermos ao sol, porque o óleo não protege a pele e ainda pode provocar queimaduras graves.

“Existe alguma forma de bronzeamento sem exposição ao sol”  

Verdade. Uma opção é o autobronzeador, que bronzeia sem causar envelhecimento na pele.  A aplicação deve ser feita na pele limpa e seca e longe do sol.

“Jogar água no corpo enquanto se expõe ao sol auxilia no bronzeamento”

Mito. A água no corpo apenas tem a função de hidratar a pele, não auxilia no bronzeamento.

“Usar o protetor com um fator baixo de proteção permite que o bronzeamento aconteça” 

Mito. Ao contrário do que as pessoas pensam, o protetor não impede que a pele se bronzeie, mas faz com que o bronzeado seja saudável, uniforme e que a pele não descasque. 

É importante lembrar que a exposição solar deve ser evitada entre 10 e 16 horas, horário de alta incidência dos raios ultravioleta, responsáveis pelo envelhecimento e câncer de pele.

Consultoria: Dra. Daniela Lemes, diretora médica da Slim Clinique e membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia.

Mais lidas