Diferença no tratamento entre os filhos

Avalie
Diferença no tratamento entre os filhos

Foto: Divulgação/TV Globo

Na novela ‘Amor à Vida’,  o personagem Félix desabafou ao dizer que grande parte de suas ações e comportamentos vinham de um grande desejo de agradar o  seu pai  César, na esperança de ganhar atenção e reconhecimento. Para ele, o amor que o pai dispunha para a irmã, Paloma, era maior do que o reservado para ele.

Mas será que existem certos comportamentos que podem indicar que você está dando maior atenção para um dos filhos e fazendo com que o outro se sinta menosprezado?

Amor diferente

De acordo com o psicólogo Breno Rosostolato, os pais amam diferentemente os filhos por eles serem pessoas e terem temperamentos diferentes, o que não quer dizer que o amor não seja incondicional.

“Achar que a educação tem que ser igual para todos os filhos é uma ideia equivocada e até ingênua dos pais, que precisam se adaptar às características de cada um e educá-los conforme as suas necessidades. O amor é incondicional, mas ele é diferente sim e não tem problema nenhum nisso”, explica o psicólogo.

Comportamentos que devem ser evitados

Dar mais atenção ou privilegiar um dos filhos podem gerar ciúmes e concorrências entre irmãos. Por isso, os pais devem evitar fazer comparações, pois isso acentua o ciúme na família.

Não se deve eleger  um filho como sendo mais frágil ou mais fraco do que o outro: tente sempre colocá-los no mesmo patamar.

Cuidado na hora de presentear os filhos, dando mais para um do que para o outro. A bronca pode ser direcionada para apenas um dos filhos, mas  os pais devem sinalizar para o outro o porquê do irmão estar sendo repreendido e  as responsabilidades que  valem para os dois.

Os pais devem evitar fofocas ou comentários que possam despertar ciúme ou inveja. Certas atitudes podem gerar um desconforto com o filho que se sente diminuído e, caso não seja bem trabalhado, pode sim gerar transtornos na vida adulta da criança.

Filhos mais novos

Quando as crianças são muito pequenas, elas podem se sentir enciumadas e depreciadas com a chegada de um irmão menor. Afinal, a vinda de outra criança rompe a exclusividade da atenção dos pais. “O ciúme é alicerçado por questões de perdas, e diante da fantasia de que se vai perder os pais surge outro sentimento: a rivalidade”, explica Breno.

Paciência, acolhimento e conversa são fundamentais nessa situação. Demonstrar amor e carinho para o filho mais velho, sem exageros, pode mudar essa realidade.

Em situações de conflitos, dê espaço para que a criança fale sobre seus medos e angústias. É na infância que são transmitidos os ensinamentos para um convívio harmonioso entre irmãos.

Revertendo a situação

Ao perceber que seu filho se sente esquecido no convívio familiar, saiba que ainda é possível reverter essa realidade.

O diálogo é muito importante para que os filhos entendam os sentimentos dos pais em relação a eles. Todos precisam se integrar, dividir e compartilhar. Os pais devem evitar fofocas ou comentários que possam despertar ciúme ou inveja.

Além disso, é necessário que se respeite as singularidades e o jeito do filho, apoiando sempre o que for preciso. “Pontue as diferenças entre eles, mas ressalte que os dois são importantes, que respeitam estas diferenças e que os pais esperam que os irmãos respeitem um ao outro”, acrescenta Breno.

 

Tags: ,

Mais lidas