RECEITAS

Cerveja: 5 coisas que você precisa saber sobre essa bebida!

Uma cerveja gelada é tudo de bom! Conheça um pouco mais sobre as cervejas e veja como harmonizá-las com diferentes pratos, mas sempre com moderação!

None
FOTO: Shutterstock.com

por Redação Alto Astral
Publicado em 17/08/2016 às 09:03
Atualizado às 19:29

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

Para acompanhar um delicioso petisco, nada melhor do que uma cerveja bem gelada. Por isso, preparamos um guia com alguns dos principais tipos de cervejas e dicas de como harmonizá-las com as comidas. E, como todo exagero faz mal, também explicamos como as bebidas alcoólicas podem prejudicar o seu organismo. Boa degustação!

Quatro copos de cerveja no balcão.

FOTO: Shutterstock.com

Cerveja loira ou morena?

Água, lúpulo e fermentação de algum cereal maltado – geralmente a cevada. Essa é basicamente a receita da cerveja. Algumas variam e trazem trigo, arroz e outros ingredientes para reproduzir sabores de café, mel, limão e até chocolate em sua composição. A cerveja do tipo pilsen é a mais consumida pelo brasileiro, por ser mais leve e com sabor não muito amargo – é a mais comum, encontrada em todos os bares e supermercados. Ela faz parte da categoria (ou família) lager, caracterizada pela baixa fermentação ou fermentação a frio (de 6 a 12° C), com teor alcoólico entre 4 e 5%. Essas cervejas possuem cor dourada e quase transparente, devido ao malte claro utilizado em sua produção. “Dentro dessa categoria, existem diversos tipos de cervejas claras, com aromas, sabores e características distintas, alguns mais amargos, outros frutados, uns mais alcoólicos e outros menos”, explica Roberta Fiorini, beer sommelier da BeerManiacs, distribuidora de cervejas nacionais e importadas. Quando a fermentação ocorre a temperaturas mais altas, entre 15 e 24° C, as cervejas são da categoria ale, em que as leveduras sobem à superfície do líquido durante a fermentação, resultando em uma cerveja mais forte, encorpada e com sabor frutado. Nesse caso, as cervejas são mais escuras ou pretas.

Combina com o quê?

Muitas vezes, experimentamos vários tipos de cervejas e destilados com petiscos até encontrarmos a combinação ideal, mas existem alguns métodos de harmonização que facilitam na hora de servir em casa ou escolher o que pedir fora. “Sempre devemos pensar na força da cerveja e do alimento. Por exemplo: uma cerveja leve e pouco alcoólica, como a pilsen, deve ser harmonizada com alguma comida leve também, como um queijo mais suave, tipo a mussarela ou uma salada, pois os sabores não vão se sobrepor, mas sim unir-se”, ensina a sommelier. Já a cerveja do tipo bock, mais encorpada, um pouco mais alcoólica e com dulçor, pede algo não tão leve, como um queijo gorduroso, tipo parmesão ou gruyère. E diferente do que muitos pensam, alguns estilos de cerveja também vão muito bem com sobremesas. “A stout é uma cerveja escura com sabor “torrado”, denso e semelhante ao café e pode ir muito bem com um brownie de chocolate, por exemplo, pois o amargor da bebida quebra o dulçor intenso da sobremesa e vice-versa, tornando a harmonização perfeita”, explica Roberta.

SAIBA MAIS

3 cervejas de trigo para você experimentar

5 cervejas que você deve beber antes de morrer

3 cervejas Lager que você tem que experimentar

Não exagere!

Barriga estufada, azia, refluxo, aumento da pressão arterial, desidratação, intoxicação do fígado e redução dos reflexos e da atenção em atividades motoras. Esses são alguns dos efeitos produzidos em nosso corpo quando ingerimos álcool em excesso. Quem mais sofre é o fígado – que tem o papel de metabolizar as toxinas –, e o pâncreas – que, ao produzir muita insulina, faz com que a glicose que circula no sangue e não será utilizada naquele momento seja armazenada sob a forma de gordura.

Acerte na dose

Segundo Tamara Mazaracki, nutróloga e médica ortomolecular, “bebidas com alto teor alcoólico, como a aguardente, são mais perigosas porque é fácil errar na dose e exagerar”, mas em grandes quantidades, todos os tipos de bebidas podem trazer danos à saúde: “O fígado metaboliza facilmente até duas doses de bebida. Após isso, salvo algumas exceções dependendo da genética, o álcool é danoso”, comenta. Para as mulheres, apenas uma dose é o suficiente.

Previna!

Tomar uma colher (chá) de óleo de coco ou azeite extravirgem antes de beber não é lenda. Ricos em ácidos graxos essenciais, os lipídios protegem o fígado contra os efeitos danosos da bebida alcoólica, forrando a mucosa do estômago e reduzindo a absorção de álcool. Evite a ressaca do dia seguinte tomando água mineral, de coco ou sucos junto com a bebida, a fim de diluir o teor alcoólico e não desidratar o corpo.

Texto: Nathalia Boni

Consultoria: Roberta Fiorini, beer sommelier da BeerManiacs, Tamara Mazaracki, nutróloga e médica ortomolecular e Cristiane Ruiz, nutricionista.