Entenda a relação entre o ano do Sol e a pandemia de coronavírus

A psicoterapeuta reencarnalista e astróloga Aline Schulz conta o que a astrologia revela sobre o momento atual de crise na saúde global

ano do sol
Foto: Pexels/Unsplash

Como se não bastasse vivenciar o ano do Sol, ainda estamos recebendo a influência da grande conjunção em Capricórnio, reflexos de Urano em Touro, que caracteriza 2020 como um ano histórico. Tanto é que alguns aspectos atuais do céu são parecidos com o auge da peste negra, em 1347, a gripe espanhola, em 1918. Agora, o novo coronavírus vem trazer profundas lições.

Por isso, olhe-se bem no espelho hoje, pois quando esse ano terminar, você e nem o mundo serão mais os mesmos. Não estudaremos ou leremos sobre o que está acontecendo, e sim seremos testemunhas. São tantos os impactos astrológicos que estamos recebendo e receberemos que dificilmente alguém vai conseguir permanecer igual.

A influência dos astros para um novo começo

Como o Sol ressalta a verdade, a luz e a sombra que há em cada um de nós, as mentiras tendem a cair por terra, serem escancaradas para todos de forma intensa. Não há mais espaço para fingirmos que não estamos vendo, para vivermos a sombra de quem devemos ser ou conduzir nossa vida baseada nas expectativas dos outros.

É o ano da verdade, do convite a colocarmos os pés no chão e tudo aquilo que não estiver em sintonia com esse objetivo tende a entrar em colapso. Por isso, a grande conjunção de Saturno, Plutão, Marte e Júpiter em Capricórnio nos pedem um pit stop, um novo olhar sobre a vida. A forma como a conduzimos irá morrer e renascer. Nos será pedido tomadas de ações, iniciativas que nos levem a crescer, nos expandir de forma mais estruturada e responsável.

Para que a mudança aconteça de forma sólida será preciso mexer com nossos medos, nossas seguranças, com aquilo que é conhecido e precioso. Estamos todos sendo confinados, convidados a agir em prol do bem maior, a olhar para nós mesmos, e isso tem consequências.

A percepção dos signos diante da pandemia e do ano do Sol

Os signos mais sensíveis como Câncer, Escorpião e Peixes tendem a sentir mais profundamente o isolamento domiciliar, principalmente por estarem preocupados com sua família, com as pessoas lidando com a sua excessiva sensibilidade diante de tudo o que está acontecendo.

Os signos do elemento terra como Touro, Virgem e Capricórnio tendem a se sentir desconfortáveis com a ruptura de estruturas para a formalização de novas, o que será necessário. Afinal, perder o controle e não saber onde estão pisando os deixa profundamente incomodados.

Os signos do elemento ar, Gêmeos, Libra e Aquário, tendem a se sentirem presos, incomodados pelo fato de seu direito de ir e vir estar temporariamente proibido. Esse sentimento é atenuado quando se está junto de quem se ama, ao participar de grupos de debate ou até por ter acesso à internet. Diferentes questionamentos podem surgir nesse momento que poderão ser compartilhados com a humanidade, ajudando-os a expandir sua visão sobre o que está realmente acontecendo do ponto de vista de crescimento.

Já os signos do elemento fogo, Áries, Leão e Sagitário, precisam tomar cuidado com a impaciência e o excesso de energia física represada, o que pode gerar muitas brigas. O mundo está mudando e a forma como cada um lida é diferente. Por isso, trabalhar sua tolerância e se exercitar nesse momento são uma boa pedida. Seria impossível falar profundamente de todos os signos aqui, por isso para saber como tudo o que está acontecendo vai influenciar na sua vida de forma pessoal neste ano o ideal é fazer um Mapa Astral.

Texto por Aline Schulz, psicoterapeuta reencarnalista e astróloga

Leia também: