ENTRETENIMENTO

Descubra quando e como Elvis ganhou seu primeiro violão!

Elvis Presley ganhou seu primeiro instrumento aos 11 anos de idade, dado a ele por seus pais, por ocasião de seu aniversário

None
Quem vê Elvis no auge da carreira não imagina as tragédias pelas quais passou. FOTO: Reprodução/Wikimedia Commons

por Redação Alto Astral
Publicado em 16/08/2016 às 18:07
Atualizado às 18:11

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

O primeiro instrumento do rei do rock chegou a eles graças a seus pais. Com o violão em mãos, Elvis mais do que nunca se viu envolvido pela música, que agora deixava de ser algo que ele apenas ouvia pelo rádio ou pelas vozes e mãos de outras pessoas. A música estava nele.

elvis presley, violão, cantando, sorrindo

FOTO: Reprodução

Economizando, porém investindo

Desde cedo, Gladys e Vernom Presley, respectivamente a mãe e o pai de Elvis, percebiam no garoto a aptidão e o gosto pela música. Sempre ouvindo os músicos que tocavam pelas ruas de Tupelo e tentando imitar os corais que via cantando nos cultos da igreja, o futuro rei do rock demonstrava imenso interesse por esse mundo de sons e melodias. Atentos a esses sinais, seus pais resolveram dar a ele de presente algo que com certeza o aproximaria ainda mais de sua paixão: um violão.

criança, presente, feliz, sorrindo, grito

FOTO: Reprodução

O mais engraçado é que, apesar de toda a afeição pela música, Elvis não esperava – e nem tinha a intenção até o momento -, adquirir um violão. Quando foi presenteado com o instrumento, o futuro rei do rock estava completando 11 anos de idade. E os presente mais cobiçados pelo cantor na ocasião eram uma bicicleta e uma arma. Sim, uma arma! Porém, como não tivessem dinheiro suficiente para comprar tais itens, seus pais optaram pelo violão, que custou apenas US$ 12,90. O barato, dessa vez, não saiu caro.

SAIBA MAIS

Especial Elvis: como Presley influenciou John Lennon?

39 anos sem Elvis Presley! Saiba por que ele é considerado o rei do rock

Texto e edição: João Paulo Fernandes