Big Pharma: seria a indústria farmacêutica uma fábrica de doenças?

A indústria farmacêutica é chamada pejorativamente de Big Pharma por alguns teóricos, que acreditam em uma verdade obscura por trás dos medicamentos

None
A criação de nomes diferentes para doenças já existentes seria uma forma de a Big Pharma produzir mais medicamentos e, com isso, aumentar seus lucros. FOTO: Reprodução/Pixabay

por Redação Alto Astral
Publicado em 19/10/2016 às 06:00
Atualizado às 18:48

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

A indústria farmacêutica também é conhecida por outro nome: Big Pharma, algo como “a grande farmácia”, em inglês. No entanto, o termo é utilizado para se referir ao setor pejorativamente, como se fosse uma grande fábrica de doenças, remédios ineficazes e que tende a tornar as pessoas hipocondríacas em busca de lucros cada vez maiores.

carrinho, remédios, consumo

A Big Pharma, como é chamada a indústria farmacêutica, é suspeita de tornar hipocondríacas um número cada vez maior de pessoas. FOTO: Reprodução/Shutterstock Images

Conspiração?

No entanto, tudo isso é uma teoria da conspiração que coloca em xeque as verdadeiras razões da indústria farmacêutica. Para os “teóricos”, as grandes empresas do ramo estão unidas para faturarem fortunas em cima das pessoas comuns e se valem de métodos obscuros para fazê-los.

dinheiro, dólares, notas

Teóricos da conspiração afirmam que a única real intenção da indústria farmacêutica é enriquecer às custas dos enfermos e demais pessoas. FOTO: Reprodução/Shutterstock Images

Fábrica de doenças

Um desses meios é se aproveitar do sofrimento de pessoas machucadas, doentes, em estágios avançados de enfermidades e dos hipocondríacos. As empresas também criam novas doenças para que mais remédios sejam consumidos. Outro método se dá por meio da censura ao acesso a tratamentos alternativos que seriam mais baratos e simples – para isso, as indústrias não fariam registros de patentes. Além disso, as grandes corporações dariam novos nomes a doenças “antigas”, ou seja, que não se manifestam há tempos na sociedade.

remédios, cápsulas, comprimidos

A criação de nomes diferentes para doenças já existentes seria uma forma de a Big Pharma produzir mais medicamentos e, com isso, aumentar seus lucros. FOTO: Reprodução/Pixabay

LEIA TAMBÉM

Texto: Thiago Koguchi e Nathália Piccoli Edição: João Paulo Fernandes

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

Ao assinar nossa newsletter, você concorda com os termos de uso do site.