Papa Francisco: confira a homilia em memória aos novos mártires

Em sua celebração de missa, o Papa Francisco fez uma homilia em memória aos mártires da atualidade, aqueles que morrem injustamente e não renegam Jesus

None
Copyright L'Osservatore Romano

por Redação Alto Astral
Publicado em 15/05/2017 às 10:00
Atualizado às 11:59

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

Na missa celebrada na basílica de São Bartolomeu, em Roma, Papa Francisco fala na sua homilia em memória aos mártires dos séculos XX e XXI. Aqueles que, segundo o pontífice, foram “assassinados unicamente por serem discípulos de Jesus”. Confira o discurso do papa:

Ele começa lembrando que a Igreja só é Igreja se for construída por mártires, que são aqueles que servem a Jesus e confessam seu amor até sua morte. “Eles sofrem, eles dão a vida e nós recebemos a bênção de Deus pelo seu testemunho. E há também tantos mártires escondidos, aqueles homens e mulheres fiéis à força mansa do amor, à voz do Espírito Santo, que na vida de cada dia procuram ajudar os irmãos e amar Deus sem hesitações”, conta o Papa Francisco.

Na imagem, o Papa Francisco está de pé no púlpito enfeitado de flores, fazendo sua homilia em memória dos mártires.

Copyright L’Osservatore Romano

Em outro ponto, o pontífice acrescenta um novo modelo de mártir para a Igreja, as mulheres. Em lembrança, o Papa recorda de uma visita que fez a um campo de refugiados: “Eu estava em Lesbos, saudava os refugiados e encontrei um homem de 30 anos, com três crianças. Olhou para mim e disse-me: ‘Padre, eu sou muçulmano. A minha esposa era cristã. Vieram à nossa cidade os terroristas, olharam para nós, perguntaram qual é a nossa religião, viram-na a ela com a cruz e disseram-lhe que a lançasse ao chão. Ela não o fez e degolaram-na diante de mim'”.

Ao fim de sua homilia, o santo padre pede para que os generosos povos que acolheram os refugiados levem a diante esse peso, como um pedido para viverem em paz e não os deixar amparados em campos de concentração que muitos campos de refugiados são, pela quantidade de pessoas neles. Além disso, o papa acrescenta: “parece que os acordos internacionais são mais importantes do que os direitos humanos. Mas este homem não sentia rancor. Refugiava-se no amor da esposa, agraciado pelo martírio”.

LEIA TAMBÉM

Texto: Camila Ramos

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

Ao assinar nossa newsletter, você concorda com os termos de uso do site.