ESTILO DE VIDA

Chá de erva-mate protege o cérebro

O chá feito com a erva-mate faz mais do que matar a sede: ele protege o cérebro dos danos causados pelos radicais livres, melhorando a memória

None
Foto: iStock.com/Getty Images

por Redação Alto Astral
Publicado em 08/08/2016 às 18:46
Atualizado às 21:01

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

A erva-mate é rica em catequinas, substâncias conhecidas pelos seus efeitos antioxidantes. Por isso, o chá feito dessa planta atua no combate à oxidação dos neurônios, ou seja, protege as células do cérebro. “Além disso, possui cafeína que atua como estimulante do sistema nervoso”, indica Maiara Fidalgo, nutricionista da Fluyr Saudável.

Erva-mate em colher

Foto: iStock.com/Getty Images

Xícara poderosa

Pesquisadores da Universidade do Extremo Sul Catarinense (Unesc) apontaram que a ingestão do chá-mate auxilia na melhora da cognição, ou seja, articula a aprendizagem e a memória de curto e longo prazo.

“Adicionalmente, dados preliminares obtidos por pesquisadores argentinos confirmam uma associação inversa entre o consumo de chá-mate e o risco de Doença de Parkinson, com uma relação dose-resposta. Isso nos leva a ter a hipótese de que erva-mate poderia ter um potencial papel protetor no desenvolvimento dessa doença”, acrescenta Brunna Boaventura, nutricionista e pesquisadora da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).

Um reforço para a mente

A erva, além de proteger o cérebro, tem ação estimulante do órgão. Além da cafeína, o mate conta com metilxantinas. “Esses compostos, principalmente a cafeína que está presente em maior proporção na planta, aceleram o metabolismo do oxigênio pelos tecidos corporais”, destaca Brunna. Além disso, eles têm ação termogênica e de oxidação de gorduras e potencial de saciedade.

Saiba mais:

Chá-mate emagrece e ajuda a rejuvenescer

Descubra como desenvolver sua memória

11 dicas para desenvolver seu aprendizado

Quem não pode?

Devido à presença de cafeína, o consumo do chá deve ser evitado antes de dormir, pois pode causar insônia e intensificar o quadro. Pessoas com gastrite, refluxo, gestantes ou que estão amamentando, que sofrem com ansiedade e hipertensão também devem optar por não ingerir a erva, pois ela pode interferir ou agravar todas essas situações.

Texto: Jéssica Frabetti   Consultoria: Maiara Fidalgo, nutricionista da Fluyr Saudável; Brunna Boaventura, nutricionista e pesquisadora da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)