Saia do piloto automático: mude o olhar e valorize as coisas simples

Valorizar as coisas simples, encontrar relevância nas relações pessoais e viver os momentos. Seja feliz todos os dias com pequenos gestos!

None
FOTO: Reprodução/Freepik

por Redação Alto Astral
Publicado em 18/10/2016 às 19:00
Atualizado às 18:47

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

Muitas vezes, o dia a dia das pessoas se resume a cumprir burocracias: ir para o trabalho, pagar as contas, consertar o carro, fazer faxina, preparar o almoço e tantas outras ações. No entanto, para que possamos ser felizes todos os dias, em meio à rotina cheia de afazeres, devemos viver os momentos, valorizar as coisas simples, desapegar dos bens materiais, buscar o prazer nos pequenos gestos e momentos e encontrar relevância nas relações com as pessoas (e não com as coisas!).

Por que precisamos mudar o olhar? Quando estamos com a cabeça tão cheia, tudo aquilo que fazemos começa a ser realizado com o mínimo de atenção. Dessa forma, como podemos valorizar as coisas simples, a risada com nossos amigos, se, ao menos, não estivermos realmente atentos e vivendo aquela interação?

valorizar coisas simples piquenique amigos

FOTO: Reprodução/Freepik

“Nosso cérebro tenta sempre economizar energia, portanto, as tarefas cotidianas começam a entrar em piloto automático. Paramos de prestar a atenção na comida que comemos, nas conversas que temos com pessoas queridas, nos trajetos que gostamos de passar e os passeios e atividades que gostamos de fazer”, ressalta Márcio Merçoni, professor do curso de Psicologia da Faculdade Pitágoras de Linhares.

O professor ainda ressalta que somos seres de experiências. “Nossos aprendizados se dão quando estamos experimentando cada momento que vivemos. É nesses momentos, também, que reconhecemos nossas principais necessidades e demandas”, salienta. Sendo assim, quando o olhar que se tem sobre a vida é reajustado, as prioridades acabam mudando.

LEIA TAMBÉM

Texto: Érika Alfaro / Consultoria: Márcio Merçoni, professor do curso de Psicologia da Faculdade Pitágoras de Linhares