Figuras de linguagem: conheça o pleonasmo, a elipse e o zeugma

Figuras de linguagem são recursos textuais que exploram o sentido conotativo das palavras ou expressões. Conheça três tipos: pleonasmo, elipse e zeugma

None
FOTO: Reprodução/Pixabay

por Redação Alto Astral
Publicado em 25/10/2016 às 09:20
Atualizado às 18:49

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

Você já ouviu falar em pleonasmo, elipse e zeugma? Esses conceitos se referem a recursos textuais, chamados de figuras de linguagem, que exploram o sentido conotativo das palavras e expressões. Com isso, afastam-se da forma padrão utilizada normalmente nos textos. Essas figuras costumam ser utilizadas em textos literários, mas também podem aparecer na linguagem coloquial, na linguagem publicitária e em muitos outros tipos de textos.

Conheça essas três figuras de linguagem (de construção):

Pleonasmo

Dentre as figuras de linguagem, o pleonasmo usa a redundância para reforçar a mensagem. Vale lembrar o objeto pleonástico, que vem a ser a repetição, o realce do objeto direto, que vem no início da frase e depois é repetido pelos pronomes “a(s)”, “o(s)”. Exemplos:

  • A ele nada lhe devo;
  • Vivemos uma vida tranquila.
lápis caderno estudar escrever figuras de linguagem

FOTO: Reprodução/Pixabay

Elipse

Omissão de um termo identificável pelo seu contexto. Exemplos:

  • Tapetes, cortinas e bibelôs, tudo comprado para a festa (ausência de artigo para causar ideia de acúmulo);
  • Na loja, apenas quatro pessoas (ausência do verbo “haver”).

Zeugma

Elipse de um termo que já foi citado anteriormente. Exemplo:

  • Maria gosta de Português, eu de Matemática (elipse do verbo gostar, que já havia sido utilizado na primeira frase). Sem a elipse a construção ficaria assim: Maria gosta de Português, eu gosto de Matemática;
  • “Beijou sua mulher como se fosse a última e cada filho seu como se fosse o único.” (Chico Buarque, Construção, CD Perfil). Nesse caso houve elipse do verbo beijar no segundo verso, pois já havia sido citado no primeiro.

LEIA TAMBÉM

Texto: Redação / Edição: Érika Alfaro