Estrapada: conheça o mecanismo de tortura da inquisição

A estrapada começou a se popularizar, uma vez que os inquisidores tinham conhecimento em “montar” a máquina de tortura onde quer que estivessem

None
FOTO: Wikimedia Commons

por Redação Alto Astral
Publicado em 21/10/2016 às 15:04
Atualizado às 18:49

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

“Antigo suplício que consistia em içar repetidamente a vítima, até certa altura, por meio de corda passada por uma roldana, e daí despencá-la no mar ou até perto do chão, às vezes com os braços e pernas atados às costas. Com o choque, deslocavam-se as articulações.” A estrapada tem até definição em alguns dicionários, mas o que realmente acontecia com o corpo da vítima ao “experimentar” a invenção é um pouco mais complexo de se definir.

mecanismo, tortura, estrapada, inquisição

FOTO: Wikimedia Commons

Como o roteiro da corte de Inquisição incluía muitos destinos, nem sempre era possível levar na bagagem os instrumentos de tortura. Deste modo, às vezes era preciso improvisar os métodos. Foi assim que a estrapada começou a se popularizar, uma vez que os inquisidores tinham conhecimento em “montar” a máquina de tortura onde quer que estivessem. O método se resumia em amarrar as mãos da vítima por trás do tronco, e utilizar a outra corda para prender as mãos atadas a uma roldana fixada ao teto.

LEIA TAMBÉM

Texto: Redação