Caveira cantante: conheça a história escrita pelos irmãos Grimm

Os irmãos Grimm possuem, em sua coletânea de contos, o enredo de Caveira cantante, que tem como início o aparecimento de um javali gigante em um reino

None
FOTO: Wikimedia Commons

por Redação Alto Astral
Publicado em 19/10/2016 às 06:00
Atualizado às 18:48

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

Os irmãos Grimm possuem, em sua coletânea de contos, um enredo que tem como fator inicial o aparecimento de um javali gigante aterrorizando um reino. O animal destruía plantações e construções, invadia terras e atacava pessoas. Por isso, em uma atitude desesperada, o rei ofereceu a mão de sua filha para quem capturasse a fera. De olho na “recompensa”, dois irmãos saíram na busca pela cabeça do bicho. E, para otimizar a caça, resolveram se dividir pela floresta. Assim, o mais novo dos rapazes encontrou um gnomo, que lhe ofereceu como presente uma lança mágica para matar o javali. Com a ajuda do instrumento encantado, o caçula cumpriu sua tarefa e abateu o animal. Quando estava a caminho do castelo, encontrou seu irmão bebendo em uma taverna.

caveira cantante, conto dos irmãos grimm

FOTO: Wikimedia Commons

O rapaz mais velho, ao ver o feito, ofereceu a ele uma taça de vinho para comemorar. E, assim que o moço ficou alcoolizado, seu irmão o matou e enterrou seu corpo embaixo de uma ponte. Com o javali morto, reivindicou a mão da princesa e disse a todos que fora o bicho quem matara seu irmão. Tudo ia muito bem para o príncipe criminoso até o dia em que um homem estava passando pela ponte e viu alguns ossos no chão. Como estava fazendo um berrante para ele, resolveu pegar o material (sim, os ossos e caveira do irmão mais novo!). E foi aí que a magia aconteceu: quando o homem tocou o berrante, o que se ouviu foi uma música sinistra que contava tudo sobre a história do assassinato. Assustado, o dono da caveira cantante o levou até o rei que, quando descobriu tudo o que houve, sentenciou o príncipe assassino à morte, jogando-o no mar amarrado a um saco.

LEIA TAMBÉM

Texto: Érika Alfaro Edição: Angelo Matilha Cherubini