Os antibióticos podem se tornar ineficazes contra bactérias?

Segundo estudo realizado pelo economista Jim O’Neill, a resistência bacteriana a antibióticos pode aumentar em 2050, provocando uma morte a cada 3 segundos.

None
FOTO: Vinicius Tupinamba/Shutterstock.com

por Redação Alto Astral
Publicado em 19/10/2016 às 06:00
Atualizado às 18:48

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

Se você assiste à televisão, muito provavelmente já viu diversos comerciais de sabonetes antissépticos para livrar-se das bactérias. Lavar as mãos é a medida mais simples e eficaz contra possíveis infecções. Contudo, a medicina (e seus antibióticos) ainda não está totalmente preparada para a ação de alguns agentes patológicos.

cientista fazendo antibióticos

FOTO: Vinicius Tupinamba/Shutterstock.com

Em julho de 2014, o governo britânico encomendou um estudo, junto ao economista inglês Jim O’Neill – intitulado Review on Antimicrobial Resistance –, de forma a avaliar os impactos futuros da resistência antimicrobiana para a saúde mundial e propor medidas políticas e econômicas passíveis de aplicação internacional.

Segundo o relatório, a previsão é de que, em 2050, 10 milhões de mortes sejam provocadas pela ineficácia de antibióticos frente à “superbactérias”, ou seja, um falecimento a cada três segundos.

O que são “superbactérias”?

Apesar de ser um termo leigo, refere-se àquelas bactérias consideradas resistentes às diversas classes de antibióticos. “Isso não significa que sejam mais virulentas que outras, ou seja, capazes de causar infecções mais graves, apenas possuem a capacidade de sobreviver à ação de antibióticos aos quais desenvolveram mecanismos de resistência”, explica a microbiologista Doroti Garcia.

Assim, existe a possibilidade de que tais medicamentos não sejam capazes de conter a ação desses agentes patológicos. No entanto, caso novos antibióticos sejam confeccionados com esse objetivo, será possível evitar o avanço dessas doenças.

LEIA TAMBÉM

Texto: Érica Aguiar Arte: Mary Ellen Machado

Consultoria: Doroti Garcia, microbiologista.