Otite canina: praia e piscina podem intensificar o problema

Nessa época de férias, é preciso ficar atento à saúde do pet para prevenir possíveis doenças, como a otite canina

Golden Retriever é uma das raças mais propensas a sofrer com a otite
Golden Retriever é uma das raças mais propensas a sofrer com a otite - Shutterstock

por Thaís Lopes Aidar
Publicado em 18/01/2022 às 18:00
Atualizado às 18:00

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

Quem não se derrete ao ver um cachorro passeando pela praia ou nadando na piscina? A cena é realmente muito fofa! Mas por trás desses mergulhos devem existir algumas precauções, viu? Entre elas, se destaca o cuidado com os ouvidos quando assunto é excesso de água e umidade. Então, se você vai viajar com seu pet, melhor ficar por dentro do assunto! 

"O conduto auditivo é semelhante a um túnel, onde a umidade se concentra. Assim, a combinação de água, sol e calor cria um cenário ideal para a proliferação de microorganismos nas orelhas, levando à otite", explica a veterinária Karoline Rodrigues. 

Além disso, a especialista em saúde animal também alerta para algumas raças mais propensas a desenvolver a condição, como Basset Hound, Dachshund, Cocker Spaniel e Golden Retriever, devido às orelhas pendulares. Portanto, os cuidados precisam ser redobrados com esses pets, ok? É preciso evitar que a água se acumule nos ouvidos e, também, garantir que a região fique completamente seca depois!

Tratando a otite canina

Para tratar o problema, a consulta com o médico veterinário é imprescindível. Ele orientará tanto em como limpar a região corretamente, quanto sobre quais medicamentos utilizar. "Normalmente, o tratamento combina soluções tópicas de higienização e remoção de cera e outras secreções da orelha do pet, sempre com orientação médica", detalha Karoline. 

Vale ressaltar que a doença pode ser detectada facilmente através de mudanças no comportamento do animal, como o hábito de coçar ou esfregar as orelhas, mau cheiro e secreção na região e até mesmo desequilíbrio. Embora os sintomas não surjam apenas após a ida à praia ou piscina, esteja atento a esses sinais principalmente durante as férias, uma vez que o cenário é mais favorável para o desenvolvimento da otite canina. 

Fonte: Karoline Rodrigues, médica veterinária e gerente de desenvolvimento de produtos na Vetnil

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

Ao assinar nossa newsletter, você concorda com os termos de uso do site.