Marília Mendonça deixa legado de empoderamento feminino na música

Rainha da Sofrência quebrou barreiras ao colocar mulheres como protagonistas no universo do sertanejo

Marília Mendonça: empoderamento feminino!
Marília Mendonça: empoderamento feminino! - Reprodução / Instagram @mariliamendoncacantora

por Beatryz Gaia
Publicado em 09/11/2021 às 14:30
Atualizado às 14:30

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

A morte precoce de Marília Mendonça não representa apenas a perda de uma das principais cantoras e compositoras da atualidade, mas também de uma voz ativa contra o machismo, principalmente no universo sertanejo. Com sua carreira consolidada em um gênero musical majoritariamente masculino, a artista de 26 anos fez diferente ao colocar mulheres como protagonistas na música brasileira.

Para além de letras sobre sofrência, a cantora quebrou barreiras ao abordar assuntos como autoestima feminina, desilusões amorosas e superação de relacionamentos abusivos em suas canções. Todas as suas músicas eram baseadas em histórias de sua vida e, com todo seu desabafo pessoal, acabaram gerando tanta repercussão que a identificação do público foi imediata.

"Feminejo"

A Rainha da Sofrência trouxe a tona o termo "Feminejo" para esse cenário ainda tão masculino. Mesmo Marília sendo uma das principais representantes do termo atualmente, ela sucedeu vozes femininas que ocuparam o sertanejo no início da década de 80, como Roberta Miranda e Irmãs Galvão.

O termo se popularizou tanto que foi usado até pelo jornal norte-americano The York Times.

Temas delicados em suas canções

Sempre comentando sobre relacionamentos abusivos e amor-próprio em suas músicas, Marília não pensava duas vezes antes de utilizar o seu talento para abordar temas delicados. O último projeto da vez foi feito com Maiara e Maraisa, no mês de julho. As amigas divulgaram uma canção que conta a história de uma mulher vítima de violência doméstica.

Na legenda de uma publicação no Instagram, ela fala o processo de selecionar a canção "Você não manda em mim", de As Patroas. "Estávamos preparando um trabalho especial pra essa música de conscientização sobre a importância da denúncia contra a agressão a mulher, justamente por saber que somos referências pra muitas mulheres no Brasil, que passam todos os dias por situações parecidas e por muitas vezes se sentem desencorajadas a denunciar", explica na legenda.

Antes de cantar a música, Marília alerta: “Em 2020 a central de atendimento registrou um caso de agressão à mulher a cada 5 minutos".

Além disso, em uma postagem no perfil do Instagram das Patroas, intitulada “Os 9 mandamentos das patroas”, Marília e dupla falam sobre os direitos das mulheres, abordando assuntos como vestir o que quiser, autoestima e terem voz.

Artistas que seguem a mesma linha

A temática que aborda os direitos das mulheres, claro, vai muito além de Marília e a dupla Maiara e Maraisa. Falar sobre esse assunto sempre esteve presente no Feminejo. A dupla Simone e Simaria, por exemplo, denunciou a violência doméstica ao lançar a música "Ele bate nela", há 7 anos atrás.

Não é à toa que Marília Mendonça recebeu homenagens de cantoras de outros gêneros musicais a respeito da relevância de seu trabalho e legado. Adriana Calcanhoto, Gal Costa, Elza Soares, Anitta, Gabi Amarantos e Luísa Sonza, entre outras, também abordam a temática feminina em seus projetos e elogiaram em entrevistas os caminhos abertos pela Rainha da Sofrência que ainda podem ser trilhados por tantas outras artistas.

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

Ao assinar nossa newsletter, você concorda com os termos de uso do site.