ESTILO DE VIDA

O estresse pode ser o vilão da balança. Saiba por quê!

O estresse gera disfunção hormonal, que tem, entre diversas consequências no organismo, o aumento de peso. Veja 6 dicas para combater esse mal.

None
FOTO: iStock

por Redação Alto Astral
Publicado em 17/10/2016 às 10:28
Atualizado às 20:55

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

Estresse vai muito além de irritação e cansaço. Ele altera o funcionamento dos hormônios e baixa a imunidade, fazendo com que a pessoa fique mais vulnerável à doenças infecciosas e a outros distúrbios como constipação, diarreia, perda de memória, de concentração, etc.

Os hormônios muitas vezes são os responsáveis pelo aumento do peso. E o cortisol, conhecido como o hormônio do estresse, é uma substância produzida em excesso durante os desequilíbrios hormonais. Ele aumenta a ansiedade, a produção de células adiposas e ainda dificulta a queima de gorduras já existentes!

mulher loira, de óculos, estressada

FOTO: iStock.com

Estresse x ataques à geladeira

A maioria das pessoas desconta o estresse comendo muito. Só que o alívio é momentâneo e, depois de um tempo, a ansiedade volta junto com a vontade de comer. As consequências emocionais resultam em mais estresse, tristeza e frustração, porque a causa real do problema não foi combatida.

Segundo a nutricionista Andréia Carrara, da clínica Emagrecentro, a ansiedade causada pelo cortisol se manifesta como um vazio na região abdominal. Por isso, a pessoa ansiosa come o tempo todo para tentar acabar com essa sensação. Os níveis de serotonina também caem nesse período. “É importante que ela se mantenha ativa no organismo porque é a grande responsável pela sensação de bem-estar, controle do sono e do apetite, o que favorece o emagrecimento”.

Dicas para não atacar a geladeira em momentos de estresse!

  • Para aliviar o sintoma do estresse, tenha uma dieta rica em proteínas, vitaminas do complexo B como leite de soja, carnes vermelhas, legumes, fígado, e vitamina C como laranja, limão e acerola;
  • Aumente a produção de serotonina comendo banana e tomate, que são ricos em triptofano;
  • A prática de exercícios físicos é fundamental para manter o nível de serotonina alto no corpo, além de fazer perder calorias e gordurinhas abdominais;
  • Não exagere no consumo de alimentos gordurosos, com muito açúcar e sal refinado. Uma refeição equilibrada, de um modo geral, é o mais indicado para se manter longe do estresse
  • Evite alimentos e bebidas que estimulam o sistema nervoso central como chocolate, café, refrigerantes à base de cola e alguns chás,
  • Atitudes impulsivas devem ser evitadas como atacar a geladeira, comer uma barra de chocolate inteira, etc;

FONTE: Andréia dos Santos Carrara, Denise Pierry e Sandra da Fonte, nutricionistas

LEIA MAIS