ENTRETENIMENTO

Previsões de Nostradamus incluíam morte do rei da França. Confira!

Nostradamus previu que o rei da França Henrique II morreria em combate, porém o monarca resolveu duelar mesmo assim. Confira o desfecho!

None
Conforme previu Nostradamus, Henrique II morreu em duelo. FOTO: Reprodução/Shutterstock Images

por Redação Alto Astral
Publicado em 12/08/2016 às 18:42
Atualizado às 18:08

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

Não é por acaso que Michel de Nostradamus (1503-1566) ficou famoso por suas previsões. Reunidos em um livro intitulado As Profecias, ou ainda Centúrias, os versos do intelectual francês antecipavam – e ainda antecipam – acontecimentos diversos da história do mundo, inclusive em diferentes épocas. O fato de muitas delas terem realmente acontecido depois de escritas por Nostradamus é o que faz com que seu nome seja lembrado até hoje.

Cavaleiro, medieval, espada, escudo, v·rias cruzes, guerra, previsões, Nostradamus

Conforme previu Nostradamus, Henrique II morreu em duelo. FOTO: Reprodução/Shutterstock Images

Enfrentando as visões

Henrique II foi rei da França de 1547 até 1559, quando morreu de forma trágica: em um evento comemorativo para os casamentos de sua irmã e de sua filha, o monarca, cujo emblema ostentava a figura de um leão, participou de um combate amistoso contra outro cavaleiro.

Foi derrotado, mas exigiu a revanche – diz a lenda, contrariando os pedidos da esposa Catarina, que tinha uma estima muito grande por Nostradamus e acreditava fielmente em suas previsões. No segundo duelo, Henrique II teve a cabeça perfurada pela lança do adversário, falecendo após dez dias de agonia, da mesma forma como Nostradamus registrara em seus versos. É de arrepiar!

cavaleiro, matando outro cavaleiro, armadura, espada, batalha

FOTO: Reprodução/Shutterstock Images

SAIBA MAIS

12 mortes mais bizarras dos últimos tempos

Castelo de Edimburgo, o cartão postal assombrado da Escócia

Nostradamus: quem era o homem por trás das profecias apocalípticas?

Texto: Redação Edição: João Paulo Fernandes