Dentistas tiram todas as suas dúvidas sobre higiene bucal!

Você realmente sabe cuidar da boca? Confira se os seus hábitos estão corretos

Esclareça suas dúvidas sobre higiene bucal!
Esclareça suas dúvidas sobre higiene bucal! - Shutterstock

por Beatryz Gaia
Publicado em 22/05/2021 às 21:30
Atualizado às 21:30

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

Ter uma higiene bucal em dia é imprescindível para manter os dentes saudáveis e evitar doenças periodontais, além de inflamações na boca e outros malefícios, como, por exemplo, o mau hálito.

No entanto, muitas pessoas associam higiene bucal a escovar os dentes uma vez ao dia e se esquecem de outros detalhes, como utilizar escovas e pastas apropriadas ou então da importância do fio dental. Assim, visando jogar uma luz sobre o assunto, e ajudar você a ter uma boca mais saudável, conversamos com especialistas para tirar todas as suas dúvidas sobre escovação. Confira!

Escolha a escova de dente certa

É preciso pensar que as cerdas são os principais componentes da escova. Com isso, a indicação tradicional, para pessoas sem problemas específicos na realização de movimentos, são as escovas de cerdas planas e niveladas, ou seja, sem alterações de inserção e direção.

Para aquelas pessoas que gostam de inovar, a dentista Ana Paula Quinteiro explica que "não há evidência científica de que escovas com cerdas de borracha ou aquelas com inclinações e texturas modificadas sejam superiores às tradicionais". Por isso, vale sempre conversar com seu dentista antes de partir para escovas diferenciadas.

De acordo com especialistas, o ideal é trocar de escova a cada três meses, ou antes, se as cerdas estiverem deformadas, pois assim impedem uma boa limpeza. Além disso, é importante não se esquecer de escovar a língua, que absorve bactérias como uma esponja.

Preste atenção na saúde de sua gengiva

Quando as gengivas estão inflamadas ou sensíveis e sangram facilmente ao serem escovadas ou tocadas pelo fio dental, a causa mais comum para o problema é a falta de hábitos frequentes com a higiene bucal. "A má escovação permite que os alimentos e as bactérias se acumulem entre os dentes e gengivas, criando um lugar propício para que as bactérias se multipliquem e se transformem em placa dentária", explica a dentista.

Por isso, é uma boa rotina diária de higiene bucal é bastante necessária, sempre com o tipo de cerda e escova indicada pelo cirurgião dentista para cada paciente.

Escovas elétricas limpam melhor?

Ainda falta uma prova clara de que as escovas elétricas sejam mais eficazes em relação às normais. André Roque, cirurgião dentista, explica que a limpeza ideal é aquela feita de forma e frequência correta. "As escovas elétricas eu costumo indicar para pacientes com problemas motores como Parkinson, por exemplo", afirma o especialista.

Com isso, concluímos que, em geral, não importa se a escovação é manual ou elétrica, desde que ela ocorra sempre da mesma forma.

A escolha da pasta de dente

Com uma enorme variedade de pastas no mercado, é possível encontrar uma para cada caso. Por exemplo, se o seu problema for dessensibilização dental, a mais adequada seria uma pasta capaz de depositar cristais sobre as regiões mais sensíveis. Se for infecção na gengiva, há também as medicinais, que ajudam na melhora e prometem remineralização.

Se não houver especificações, as genéricas fluoradas são as mais recomendadas, visto que são indicadas para o uso diário. As outras devem ser recomendadas pelo profissional, pois o diagnóstico é a principal forma de estabelecer cuidados mais adequados.

Existe um método correto para escovação diária?

Quinteiro explica que o método ideal é dividir a boca em quatro partes para começar a escovação. "Limpe primeiro a parte superior esquerda, depois a direita. Em seguida, a parte inferior esquerda e, por fim, a direita."

Mas atenção: deve-se levar meio minuto em cada região, da gengiva para o dente, para não machucar a gengiva, num total de 2 minutos.

Escovar os dentes com o dedo adianta?

Quem nunca viajou e esqueceu a escova em casa? Na falta do item, muita gente recorre aos familiares e amigos, optando por pedir uma pasta emprestada e usar o dedo para limpar os dentes. Porém, fique sabendo que esse método não é nada efetivo (além de ser pouco higiênico)!

Escovar os dentes com o dedo não promove a remoção adequada da placa bacteriana, principalmente nas partes que são mais difíceis de alcançar até com a própria escova. Quando o item não estiver presente, o dedo pode se tornar uma alternativa emergencial, mas arranje o quanto antes uma escova para uma melhor eficácia da limpeza bucal.

O uso do fio dental

Chegou a hora de falar do queridinho dos dentistas! O famoso fio dental deve ser utilizado após as refeições e, principalmente, antes de dormir. Porém, é preciso usá-lo de forma correta para que os resultados sejam efetivos. 

O uso do fio é tão importante quanto a escovação, e se não for usado, pode resultar em perdas prematuras de dentes, gengivite, periodontite, alitose (mau hálito), doenças bucais e sistêmicas, como pontuam os dentistas.

E o enxaguante bucal? É necessário?

Os bochechos com enxaguantes têm importância, mas apenas para aqueles que sofrem com doenças periodontais, entre elas, cáries e dentes sensíveis. Para as demais pessoas, a atuação do produto é nula, independente da quantidade de vezes em que ele é usado no dia a dia.

O especialista é quem deve orientar se o paciente precisa ou não do produto e qual seria o mais indicado. Se aliado a uma boa escovação, nos casos específicos, o enxaguante pode, sim, ser útil. Caso contrário, o produto não será benéfico e pior: pode, inclusive, aumentar o mau hálito.

Consultoria: Dr. André Roque - Cirurgião Dentista; Ana Paula Moro, dentista e Ana Paula Quinteiro, dentista e professora do Instituto Levy Nunes na Faculdade São Leopoldo Mandic.