Entenda melhor algumas parábolas de Jesus

Em suas pregações, Jesus utilizava as parábolas: histórias curtas, simples e que ilustravam o dia a dia da época, mas nos ensinam muito até hoje. Saiba mais

None
Foto: Shutterstock

por Redação Alto Astral
Publicado em 20/10/2016 às 12:38
Atualizado às 11:48

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

Em suas pregações, Jesus sempre utilizava as histórias para ensinar ao seu povo como viver uma vida cristã e digna do amor de Deus. As parábolas eram curtas, de linguagem simples e ilustravam fatos do dia a dia das pessoas daquela época, mas que podem nos servir de lição até nos dias de hoje.

Não há nada mais triste do que ler essas grandes lições e não aproveitá-las para nada. Por isso, depois de estudar essas sábias palavras de Deus, reflita sobre seus pensamentos e ações. Vale a pena até se questionar: “Encontrei a mim mesma nessa parábola? Quais mudanças em minha vida essa parábola exige?”. Deus nos faz um convite — Ele quer a transformação interior.

parabolas de jesus

Foto: Shutterstock

Mas como fazer isso? Nossas atitudes revelarão a resposta para esse convite, pois somos responsáveis pelo caminho que escolhemos, se queremos aprender ou não, e que tipo de coração desejamos ter.

O joio e o trigo

Certa vez, um servo do Senhor dormia, enquanto seu inimigo foi até sua casa e semeou joio junto a sua plantação. Quando o trigo cresceu, apareceu também o joio. Os empregados do homem perguntaram se ele queria que o joio fosse arrancado do local, mas ele respondeu que algum inimigo tinha feito aquilo e que não poderia arrancar o joio sem tirar o trigo junto. No momento da colheita, ordenou que o joio fosse retirado e o trigo recolhido ao celeiro.

Para meditar

O Senhor compara o reino dos céus com o homem que semeia boa semente em seus campos. As boas sementes são os filhos do reino de Deus e o joio são os filhos do demônio. O inimigo que semeou o joio é o diabo, a colheita é o fim do mundo e o homem que colhe é um anjo. Dessa forma, as pessoas que têm um bom coração serão recebidas de braços abertos no céu, e as más terão a devida punição.

LEIA TAMBÉM

O rico e o mendigo

Havia um homem muito rico. À sua porta ficava um mendigo chamado Lázaro, que sempre lhe pedia migalhas de sua comida para que pudesse saciar a fome. Ele era coberto por úlceras e os cães vinham lambê-las. Quando ambos morreram, Lázaro foi ao céu e alguém dentre os mortos fosse avisá-los, se arrependeriam e se salvariam. Abraão respondeu que eles não acreditavam na palavra de Moisés nem dos profetas e, tampouco acreditariam que alguém ressuscitaria dos mortos.

Para meditar

Aqui temos duas personalidades distintas: uma que gozou, outra que sofreu. Uma a quem nada faltava, outra a quem faltava tudo, mas que no dia do julgamento tiveram suas condições trocadas. Essa parábola quer ensinar que todos devem cuidar da vida da alma, em vez de se preocupar apenas com o bem-estar do corpo e os bens materiais. Também, quer mostrar que não temos o direito de desprezar o próximo, pois a justiça de Deus é infalível

O credor sem compaixão

Nesta parábola, Cristo compara o reino dos céus a um rei que tinha um servo que lhe devia dez mil talentos. Como não tinha como pagar sua dívida, o rei ordenou que o servo fosse vendido como escravo junto com sua mulher e seu filho. Desesperado com a situação, o servo suplicou o perdão de sua dívida e, o rei, movido pela compaixão, acabou perdoando aquele homem. O servo, por sua vez, tendo encontrado uma pessoa que a ele devia, mandou-a para a prisão. Ela também suplicou para que o servo a perdoasse, mas não teve jeito. Ao saber do ocorrido, o rei disse que o servo era mal, pois não teve compaixão pelo seu amigo, assim como o rei tinha tido com ele. Indignado, o rei mandou o servo aos carrascos.

Para meditar

A história é triste, mas nos serve de exemplo para que cultivemos o perdão em nossos corações, principalmente porque Deus sempre nos acolhe e perdoa os nossos erros quando demonstramos arrependimento.

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

Ao assinar nossa newsletter, você concorda com os termos de uso do site.