ESTILO DE VIDA

Intestino: veja como ele se relaciona com as emoções!

Chamado também de segundo cérebro, o intestino pode sofrer consequências por conta do descontrole das nossas emoções. Confira!

None
Foto: iStock.com/Getty Images

por Redação Alto Astral
Publicado em 04/10/2016 às 19:54
Atualizado às 20:57

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

“O intestino tem o seu próprio sistema nervoso, formado por uma série de células nervosas e neurônios que possuem ligação direta com o sistema nervoso central e o cérebro”, indica o cirurgião e nutrólogo Hamilton Funes. Por isso, a qualquer sinal de ansiedade, as chamadas entranhas respondem em tom de alerta. “O sistema digestivo é sensível às emoções, portanto ao passar por alteração de humor ou emocional, o indivíduo pode desencadear problemas no funcionamento intestinal”, completa Hamilton. O mesmo acontece quando algo não cai muito bem, ocasionando problemas emocionais e outras alterações pelo corpo.

mulher

Foto iStock.com/Getty Images

ANSIEDADE X DOR DE BARRIGA

” Essa ligação entre o órgão-mestre e o intestino faz com que as emoções tenham papel quase que decisivo na saúde e no desempenho intestinal. Tanto que, quando algo não vai bem emocionalmente, pode levar ao surgimento de doenças gastrointestinais como síndrome do intestino irritável e até mesmo gastrite nervosa”, destaca Hamilton. Essas são as doenças mais comuns causadas por estresse, ansiedade ou nervosismo. O diagnóstico é feito com base nos sintomas e na ausência de alterações nos exames clínicos e laboratoriais.

DESORDEM INTESTINAL E TAMBÉM MENTAL!

Da mesma forma que um quadro de ansiedade é capaz de fazer o intestino desandar, quando algo prejudica a saúde intestinal – seja por alergia, intoxicação ou alguma patologia específica – os nervos podem ficar à flor da pele. Como o intestino delgado é responsável, em grande parte, pela produção de serotonina, hormônio responsável pela sensação de bem-estar, sua saúde se relaciona com a mental.

Leia também: 

UM POR TODOS E TODOS POR UM!

Para que haja um maior controle do funcionamento intestinal e das emoções, especialistas indicam a importância de uma alimentação balanceada. As escolhas feitas, quanto ao tipo e a qualidade alimentar estão em maior ou menor grau relacionadas às doenças crônicas – depressão, pânico, ansiedade, enxaqueca, esquizofrenia – e a doenças gastrointestinais – intestino preso, síndrome do intestino irritável, colite e doença de Crohn. Entre as principais recomendações estão: ingestão regular de água e fibras, consumo reduzido de carnes vermelhas e bebidas alcoólicas e controle de parasitas intestinais.

Consultoria Hamilton Funes, cirurgião e nutrólogo