Depressão na adolescência pode ser causada por vários fatores

Marcada por muitas mudanças, a adolescência pode ser alvo da depressão. Afastar a doença é importante para que ela não se prolongue para a idade adulta

None
Foto: Shutterstock Images

por Redação Alto Astral
Publicado em 15/11/2016 às 12:29
Atualizado às 11:59

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

Para que a depressão se instale não é necessário muito. Diversos fatores podem colaborar para que o jovem se torne deprimido, principalmente na rotina do mundo atual. “A questão hereditária é forte, mas temos outros fatores de risco, como a estimulação de uma competitividade e perfeccionismo exacerbados, a cobrança social por um comportamento sempre correto e por sentimentos continuamente adequados – o que promove uma repressão da raiva. Além disso, temos o bullying, agressões físicas e/ ou sexuais, afeto condicionado (pais e cuidadores que condicionam o dar e receber afeto em função do comportamento considerado adequado do jovem), grandes perdas emocionais, dentre outros”, detalha a psicóloga Beatriz Acampora.

Depressão na adolescência pode ser causada por vários fatores

Foto: Shutterstock Images

Tratamento

O acompanhamento psicológico e psiquiátrico é fundamental para que a doença se afaste. Da mesma forma que em adultos, terapias alternativas também são bem-vindas. Porém, quando há necessidade do uso de medicamentos, um dos problemas encontrados durante o tratamento é a insistência por parte dos jovens em ingerir bebida alcoólica, o que é proibido. É importante conscientizá-los para os riscos para a saúde e da importância de levar o tratamento à sério para se curar da doença.

Cuidar bem

Um histórico depressivo quando criança pode ser um dos fatores desencadeantes para a doença também no adolescente. “A depressão não tratada na infância pode se estender sim à adolescência e depois à vida adulta. Quando isso acontece, há mais risco de propensão ao uso de drogas, pois há a tentativa de aliviar o que se sente. E se persistir até a vida adulta, há a tendência de impactar diferentes áreas da vida, inclusive o trabalho, relacionamentos íntimos etc”, afirma a psicóloga Beatriz.

LEIA TAMBÉM

Texto: Natália Negretti – Edição: Augusto Biason/Colaborador

Consultorias: Beatriz Acampora, Marina Delduca Cilino e Miriam Barros, psicólogas.

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

Ao assinar nossa newsletter, você concorda com os termos de uso do site.