SAÚDE

Assim com Karol Conká, saiba qual o momento ideal de começar a terapia

Aprenda a lidar com a rejeição social no momento ideal e com a ajuda de um psicólogo

None
Reprodução - Instagram

por Baárbara Martinez
Publicado em 24/02/2021 às 12:00
Atualizado às 12:00

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

Após ser eliminada do Big Brother Brasil 21, Karol Conká pediu desculpas pelas atitudes equivocadas que teve durante o programa e reconheceu a necessidade um de tratamento psicológico.

“É um momento bem legal para eu ir para uma terapia, você não acha?”, perguntou a famosa para Ana Clara durante o Bate-papo BBB. “Eu acho, todo mundo precisa. Eu acho que esse é o momento de uma ‘boooooa’ terapia”, respondeu a ex-sister, em tom de deboche. 

Indicada ao paredão pela líder Sarah, a cantora saiu da casa com 99,17% dos votos, se consagrando como campeã de rejeição do reality. 

De acordo com o psicólogo Haroldo Lopes, não é nada fácil encarar um confinamento como o BBB. "Dentro da casa as pessoas são diferentes e as provas acabam mexendo com o emocional de todo mundo".

Segundo ele, o momento ideal de procurar um profissional é quando você percebe que alguma situação não esta muito bem resolvida em você, como relatou a ex-BBB.

"Essa situação passa a atrapalhar o convivo social, a desenvoltura trabalhista, passa a incomodar o sono, causa perda de peso sem uma causa específica. Quando você sentir que o problema é na esfera psicológica, é o momento ideal", afirma o profissional.

Haroldo ressalta que somente o fato de procurar uma ajuda já é uma grande vitória. "Meio caminho andando para a solução desse emocional. A maioria das pessoas não acredita que precisa dessa ajuda, algumas negam a consulta e afirmam que não são loucas. Entretanto, o tratamento é necessário e faz muito bem".

No caso de Karol, quanto mais rápido ela compreender suas atitudes, menos doloroso será esse processo. "É normal ter momentos difíceis nos relacionamentos com as pessoas. A rejeição não é universal. Ela faz parte das relações humanas assim como o amor", finaliza o doutor. 

Consultoria: Dr. Haroldo Lopes, psicólogo.