Entenda os rituais sagrados da Santa missa

Momento de ficarmos ainda mais próximos de Nosso Senhor. Entenda os significados dessa celebração e viva ainda mais intensamente essa experiência religiosa.

None
FOTO: istock

por Redação Alto Astral
Publicado em 08/11/2016 às 11:48
Atualizado às 11:48

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

A missa é uma celebração em que podemos ficar ainda mais próximos de Nosso Senhor. Neste momento especial, podemos reviver os mistérios da vida de Cristo: sua vida, paixão, morte e ressurreição. Com isso, recebemos as bênçãos dos Céus, livramo-nos dos pecados e ficamos com a sensação de estarmos mais leves. A Santa missa segue um ritual, repleto de significado. Entenda cada detalhe dessa celebração e viva ainda mais intensamente essa experiência religiosa.

missa

FOTO: Istock

Ritos iniciais

Canto de entrada: ele cria um clima festivo e de comunhão com Deus e os fiéis, além de acolher o padre e os ministros. Este é o momento em que devemos abrir o nosso coração para receber Jesus em nossa vida. O canto também está em sintonia com o tema que será celebrado na santa missa.

Sinal da cruz: ele é realizado no início e no final da celebração. Com esse símbolo, marcamos o nosso corpo, consagrando-o à santíssima trindade. Para ressaltar esse ato, alguns sacerdotes preferem cantá-lo.

Saudação: é a parte em que o padre recebe e saúda a comunidade anunciando a presença de Jesus. Normalmente, a saudação é retirada de uma das cartas do Novo Testamento. Os fiéis louvam a Deus por estarem reunidos no amor de Cristo.

Ato penitencial: é o momento reservado a todos os presentes para que possam pedir perdão pelos seus pecados a Deus. Nesta hora, é importante que estejamos dispostas a perdoar e ser perdoadas. Este ato também poder ser feito em forma de canção.

Hino de louvor: também conhecido como Glória, é o grande momento de louvar a Deus durante a missa. Aproveite para cantar e agradecer ao Senhor pelas inúmeras bênçãos que ele vem derramando sobre a sua vida.

Oração chamada “coleta”: após pronunciar a palavra “oremos”, o sacerdote faz uma pausa para que cada um de nós coloque as suas intenções. Em seguida, o padre faz a oração do dia. Os fiéis demonstram que estão de acordo ao dizerem o “amém”.

Liturgia da palavra

Primeira leitura: com exceção, por exemplo, dos domingos do Tempo Pascal, a primeira leitura é normalmente retirada do Antigo Testamento.

Salmo responsorial: é quando os fiéis, em coro, dão a sua resposta. Por exemplo: ao ouvir a palavra de Deus, a comunidade responde com um salmo. É bem provável que os números dos salmos usados na celebração não correspondam com os da sua Bíblia, pois a Liturgia ainda baseia-se na numeração latina.

Segunda leitura: diferentemente da primeira leitura, a segunda leitura é feita com base no Novo Testamento. Ela, não necessariamente, combina com a primeira leitura ou com o Evangelho. Ela é feita por meio de uma das cartas dos apóstolos: Filipenses, Gálatas, Romanos, I Coríntios, II Coríntios e muitos outros.

Aclamação ao Evangelho: é o momento da comunidade manifestar toda a sua alegria pela presença de Jesus entre os fiéis. É cantando o “Aleluia” que a assembleia acolhe a palavra sagrada.

Evangelho: quando o sacerdote proclama o Evangelho do dia. Marcamos com uma cruz (persignação) a testa (simbolizando a nossa mente), a boca (nossas palavras) e o peito (nossos sentimentos). Nos domingos do Tempo Comum, lemos um a cada ano. Mateus (Ano A), Marcos (Ano B) e Lucas (Ano C). O Evangelho de João entra particularmente na Quaresma e no Tempo Pascal.

Homilia: quando o padre esclarece os ensinamentos divinos. Para que possamos compreender o significado da palavra de Deus, é importante que prestemos atenção com respeito e tenhamos o nosso coração aberto.

Profissão de fé: ao rezar o Credo, os fiéis assumem o seu compromisso com a Igreja Católica e com Deus. É a hora em que se fecha, praticamente, a liturgia da palavra.

Oração da assembleia: unida, a comunidade reza não só pela Igreja, mas também por todas as pessoas do mundo.

LEIA TAMBÉM

Oração milagrosa de Santo Expedito para causas urgentes

Testemunhos de quem alcançou graças com Santa Rita de Cássia

Tríduo de São Jorge para afastar todo o mal

Liturgia eucarística

Canto e apresentação das oferendas: o padre apresenta ao Pai as ofertas do pão e do vinho, que se tornam no altar o verdadeiro símbolo do Corpo e do Sangue de Cristo. Durante o canto, os fiéis oferecem as necessidades da comunidade e da Igreja.

Orai, irmãs e irmãos: após o canto, o padre convida a assembleia a se unir em uma só oração para que o Senhor aceite o sacrifício oferecido.

Oração sobre as oferendas: em nome dos presentes, o padre pede a Deus que acolha e aceite as ofertas da comunidade, que consente com o “amém”.

Oração eucarística: momento em que recordamos a morte e a ressurreição de Cristo. Não é apenas uma lembrança de algo ocorrido no passado, mas de um fato que acontece hoje, na hora da Eucaristia. A oração eucarística possui oito elementos importantes:

1) Prefácio: quando damos graças ao Pai por nos ter dado seu Filho, Jesus. O prefácio é iniciado com um diálogo entre o padre e os presentes.

2) Santo: todos cantam a santidade de Deus com este louvor:  “Santo, Santo, Santo…”.

3) Epiclese: o sacerdote coloca suas mãos sobre o pão e o vinho e pede que, pela ação do Espírito Santo, eles se transformem no corpo e sangue de Cristo.

4) Narrativa da instituição e consagração: é o momento em que todos os fiéis adoram em segredo a hora em que o padre repete os gestos e as palavras de Cristo em sua última ceia, mostrando aos presentes a hóstia e o vinho consagrados.

5) Anamnese (ou memorial): Jesus ordenou:  “Fazei isto em memória de mim”. E o apóstolo Paulo recebeu a esse respeito:  “Toda vez que se come deste pão, toda vez que se bebe deste vinho, se recorda a Paixão de Jesus Cristo e se fica esperando Sua volta”. É exatamente isso que toda comunidade celebra neste momento de oração.

6) Oblação (ou ofertório): quando é pedido aos presentes que fiquem em unidade com Cristo. Ao receber o corpo de Jesus, nos tornamos o próprio filho de Deus, por obra do Espírito Santo.

7) Intercessões: neste momento, o sacerdote faz todas as intercessões pela Igreja, pela comunidade, pelos mortos e pelo mundo.

8) Doxologia final: como este pequeno hino de louvor, “Com Cristo, por Cristo e em Cristo…”, encerra-se a oração eucarística. No final, canta-se, repetidas vezes, o “amém”.

Pai-Nosso: como Jesus nos deixou apenas essa oração, ela é chamada de a “Oração do Senhor”. Com ela, ele nos ensina que somos uma única família e temos um único Pai.

Abraço da paz: após rezar a oração pela paz, o sacerdote nos convida a nos saudarmos com um abraço ou aperto de mão, um costume que nasceu com os primeiros cristãos.

Fração do pão: ao partir o pão, o gesto do padre nos compromete com a partilha. Nesta hora, os participantes invocam o Senhor com as palavras do Evangelho de João: “Cordeiro de Deus, que tirais o pecado do mundo…”.

Convite à ceia: ao mostrar a hóstia consagrada à assembleia, o padre nos faz um importante convite: “Felizes os convidados para a ceia do Senhor…”. As pessoas respondem: “Senhor, eu não sou digno de que entreis em minha morada…”.

Comunhão e canto: para recebermos o corpo de Cristo, um canto nos acompanha até a Mesa Eucarística. Neste momento, entramos em total sintonia com Cristo. Acompanhando o canto, elevando a nossa voz, expressamos a nossa unidade com nossos irmãos.

Ação de graças: após a distribuição da Eucaristia, iniciamos a ação de graças, momento em que agradecemos em silêncio as bênçãos de Deus.

Depois da comunhão: por meio de uma oração, pedimos ao Senhor que renove sempre a nossa vida, a nossa fé e a nossa esperança.

Ritos finais

Avisos: o padre ou algum membro da comunidade divulga os eventos religiosos do mês ou informa algo de interesse à comunidade.

Bênção final: marcamos o corpo com o sinal da cruz. Na bênção final, é a própria Santíssima Trindade que nos acompanha pela vida inteira.

Despedida: o padre se despede dos fiéis e inicia-se o canto final. Os fiéis devem esperar a saída do celebrante e dos ministros.

Design: Aline Barudi

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

Ao assinar nossa newsletter, você concorda com os termos de uso do site.