MUNDO MÍSTICO

Doenças cármicas: entenda a relação entre os males do corpo e da alma

De origem espiritual, as doenças cármicas são inseridas no processo reencanatório de um indivíduo visando sua aprendizagem e progresso.

None
Foto: Shutterstock

por Redação Alto Astral
Publicado em 10/11/2016 às 09:11
Atualizado às 11:47

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

A medicina identifica uma série de doenças e as trata com recursos científicos e tecnológicos. Porém, há males mais complexos e difíceis de serem identificados e tratados – são as chamadas doenças cármicas. Estas possuem origem espiritual e são inseridas no processo reencanatório de um indivíduo visando sua aprendizagem e progresso, ou seja, a elevação moral de sua alma. As doenças cármicas não são acidentais.

A Lei do Retorno, ou Lei da Ação e Reação, explica essas enfermidades, uma vez que cada ação que o ser infringe contra um semelhante é revertida numa reação de igual intensidade que aparece na forma de dor, doenças e angústias.

mulher-pensando

Foto: Shutterstock

Porém, é importante destacar que o sofrimento causado pelas doenças cármicas não possui origens punitivas, mas sim educativas. Se você encarar a doença como algo ruim, não terá aprendizados, mas se enxergá-la como uma oportunidade de mudanças, irá crescer e evoluir. Nenhum indivíduo adoece por obra do acaso. O que a Doutrina Espírita visa esclarecer é que a justiça da aflição não ocorre por punição ao erro, mas em consequência dele, obedecendo às leis naturais que regem o universo no campo fluídico.

Relação entre as doenças do corpo e alma

O espírito doente, enquanto assim permanece, contamina o corpo que o indivíduo recebeu ao nascer com os desequilíbrios que esse espírito traz. Isso provoca as doenças do corpo que refletem as imperfeições da alma que nele passa a habitar. “O espírito sadio vive num corpo são. O espírito doente contamina o corpo são, que acaba por adoecer também”, explica o autor espírita Ricardo Oreste Forni.

Todas as faltas cometidas pela pessoa na vida passada ficam registradas no perispírito e se manifestarão como problema de retorno, ou seja, doenças ou perturbações cármicas. São muitas as maneiras que o ser humano encontra para prejudicar o próprio organismo: o uso de drogas, bebidas alcoólicas ou cigarro; uso sem controle de medicamentos psicotrópicos utilizados no tratamento de distúrbios mentais; conduta agressiva; prática de violência; maldade; exploração dos semelhantes em suas diferentes modalidades; hábito de se entregar a pensamentos negativos; estados de vida pautados na ociosidade; corrupção; leviandade;  ser o causador de prejuízos para os semelhantes e constituindo-se um mau exemplo para a sociedade, entre outras. Todas essas ações causam danos à alma, gerando consequências negativas no futuro.

LEIA TAMBÉM

A cura

O Espiritismo reforça a afirmação bíblica do evangelista Mateus que diz: “São os olhos a lâmpada do corpo. Se os teus olhos forem bons, todo o teu corpo será luminoso; se, porém, os teus olhos forem maus, todo o teu corpo estará em trevas. Portanto, caso a luz que está em ti sejam trevas, que grandes trevas serão!” (Mateus 6: 22-23). Ou seja, a cura para as doenças não é apenas o equilíbrio emocional, mas também o desenvolvimento de uma índole bondosa, mansa e generosa. O indivíduo que está sofrendo com as doenças terá de ser humilde e se perguntar: “onde estou permitindo que meu coração permaneça em trevas? Na falta de perdão? Na mágoa ou rancor em relação a alguém? Na inveja que pouco assumimos? Na ingratidão?”. O autoconhecimento, portanto, é uma das principais chaves no tratamento das doenças.

Limpeza da alma

Ao “descarregar” no corpo físico os fluidos ruins decorrentes de vidas passadas, o perispírito ficará livre deles. É nesse sentido que a doença aparece como bênção educativa: não é uma punição eterna, mas sim uma consequência do mau uso.

Fontes: Descomplicando o Espiritismo, Ricardo Orestes Forni, Editora Petit, 2015 / osvaldoshimoda.com / www.harmoniaespiritual.com.br Consultorias: Ângela Moraes e Wellington Balbo

Texto e pesquisa: Natália Dário | Edição: Beatriz Albuquerque | Design: Deicimar Dias