Degeneração macular: saiba o que é e como prevenir a doença

Você conhece a degeneração macular? Essa doença afeta a visão, criando dificuldade para ler e algumas manchas na visão. Saiba mais!

None
Foto: Shutterstock

por Redação Alto Astral
Publicado em 28/11/2016 às 12:52
Atualizado às 12:48

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

De repente você começa a perceber que sua visão está diferente, embaçada, sente dificuldade em ler e, com o passar do tempo, um ponto escuro aparece no meio de tudo o que você vê. Esses são alguns dos sintomas da degeneração macular, uma doença que atinge principalmente pessoas com mais de 65 anos de idade.

Foto: Shutterstock

Foto: Shutterstock

O que é essa doença?

A doença atinge a mácula, ponto responsável pela área central da visão. “Ela pode ter várias causas, mas a mais comum é a Degeneração Macular Relacionada à Idade (DMRI)“, explica o oftalmologista André Pamplona. Quando a função da mácula é afetada, há um borramento da visão ou uma distorção das imagens na região central. Isso interfere na prática de atitudes simples, como a leitura e a identificação de fisionomias. Porém, na maioria das vezes, a visão periférica continua suficiente para permitir outras atividades do cotidiano.

De acordo com Pamplona, a DMRI não leva à cegueira total, e exames feitos em consultas rotineiras podem diagnosticar o problema precocemente. Estar sempre em dia com os exames é muito importante, especialmente para quem tem histórico familiar de problemas na retina. Apesar de ser mais comum em pessoas na terceira idade, jovens também podem apresentar a doença.

Seca e úmida

Existem dois tipos de degeneração macular frequentes. A mais comum é conhecida como seca (atrófica), tendo como principal causa o envelhecimento. Nesse caso, o tecido retiniano sofre um afinamento e ressecamento com, muitas vezes, perda gradativa da visão. O outro tipo, chamada de úmida (exsudativa ou cistoide) ou hemorrágica, ocorre em 10% dos casos. Vasos se formam na região macular, vazando líquido e sangue. A perda visual pode ocorrer de maneira bastante rápida e severa.

Mácula

A mácula é um ponto de forma oval e cor amarela que está localizado no centro da retina do olho. Seu diâmetro é de cerca de 1,5 milímetro. Na mácula está concentrado um grande número de células especiais, os cones, importantes na formação da imagem. Essas células são fotorreceptores responsáveis pela transformação do estímulo luminoso em impulso elétrico (fenômeno conhecido como fototransdução). Sempre que se quer olhar para alguma coisa, utiliza-se a mácula, que garante a visão central. O termo mácula é derivado de “mancha”, aspecto escuro visto no exame de fundo de olho. Isso deve-se ao fato de a mácula ser uma estrutura anatômica avascular (sem vasos sanguíneos) e rica em um pigmento, a xantofila.

Doença macula olhos

Foto: Getty Images

Sintomas mais comuns

  • As cores ficam pálidas;
  • As palavras de um texto ficam borradas;
  • As linhas retas ficam distorcidas, como onduladas ou trêmulas;
  • Uma mancha escura ou embaçada aparece no centro da visão;
  • Sensação de visão dupla, flashes de luz ou de pontos escuros também podem estar associadas à doença.

Prevenção

Traumas, infecções, inflamações e miopias com grau elevado também podem lesar o tecido retiniano e levar à degeneração. O oftalmologista afirma que existem alguns fatores que predispõem ao aparecimento precoce da DMRI. Entre eles, estão a exposição crônica à radiação solar sem proteção, isto é, sem o uso de óculos escuros; tabagismo, consumo exagerado de álcool e, qualquer quantidade, de drogas e deficiência de vitaminas antioxidantes no organismo. “O uso de óculos escuros desde a infância, abstinência de tabaco, álcool e outras drogas, alimentação balanceada em vitaminas antioxidantes ou suplementos vitamínicos são importantes para a prevenção”, ressalta.

Como tratar

A ligação do envelhecimento com a degeneração macular tem a ver com a perda da capacidade do nosso organismo de combater os radicais livres. Componentes antioxidantes como as vitaminas A, C e E, e minerais como selênio, zinco, manganês e cobre, além da luteína, podem ajudar as células da mácula no processo de combate aos radicais livres. Por isso a importância de consumir alimentos ricos em tais nutrientes, como folhas verdes, e ter uma dieta balanceada, pobre em gorduras ruins (saturadas e trans) e rica em vegetais. O problema do tipo úmida pode, em alguns casos, ser tratada com fotocoagulação a laser, evitando-se a progressão da doença.

Texto: Redação Alto Astral

Consultoria: André Pamplona, oftalmologista

LEIA TAMBÉM: