Saúde dos olhos: saiba a diferença entre astigmatismo, hipermetropia e miopia

Os olhos são afetados por inúmeras doenças, como miopia, hipermetropia e astigmatismo, sendo que todas elas apresentam sintomas próprios

None
FOTO: Shutterstock

por Redação Alto Astral
Publicado em 14/09/2016 às 18:38
Atualizado às 20:57

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

Astigmatismo, hipermetropia e miopia são condições que afetam os olhos e que causam um erro de refração, ou seja, a imagem não é projetada na retina e, por essa razão, não é recebida adequadamente pelo cérebro. “Esses erros de refração ou ametropias podem mudar com o tempo, aumentar, estabilizar ou até diminuir”, esclarece a oftalmologista Franciele Vegini. As causas vão desde a variação no tamanho do globo ocular até problemas em estruturas como cristalino e córnea.

Os olhos são afetados por doenças como a miopia e o astigmatismo

FOTO: iStock e Getty Images

Miopia

É um defeito da visão em que a convergência da imagem ocorre antes da retina, tornando a visão para longe embaçada. Isso acontece porque o olho míope é maior que o normal ou em razão de as córneas serem muito curvas. Esse é um problema transmitido geneticamente e, na maioria dos casos, é descoberto por volta dos 8 a 12 anos de idade.

Durante a adolescência, a miopia tende a se intensificar, já que o olho acompanha o crescimento corporal. Porém, a partir dos 20 até os 40 anos tende a se tornar estável. Dores de cabeça podem acompanhar a perda progressiva da qualidade visual. Por isso, aos primeiros sinais, faça uma consulta oftalmológica. Dentre as opções de tratamento estão o uso de lentes divergentes, que prolongam a imagem até a retina, lentes de contato e cirurgias a laser.

SAIBA MAIS:

Conheça o glaucoma e seus sintomas

Confusão com cores é sinal de daltonismo

Cirurgia refrativa: 5 questões sobre o processo a laser

Hipermetropia

Quem enxerga mal objetos que estão perto mas apresenta uma boa visão para longe possui hipermetropia. “Ela surge quando os olhos têm tamanho menor que o normal ou quando o poder de convergência do cristalino ou da córnea é fraco, fazendo com que a imagem se forme atrás da retina”, afirma a oftalmologista.

Além da dificuldade de ver objetos próximos ou ler, sintomas como dores de cabeça e cansaço visual também podem estar presentes. Por isso, recomenda-se procurar um oftalmologista assim que surgirem os primeiros sinais. Entre as formas de correção do problema estão o uso de óculos com lentes convergentes, que direcionam a luz sobre a retina, lentes de contato ou cirurgia refrativa.

Astigmatismo

Visão borrada é a principal característica de uma pessoa que possui astigmatismo. “Os raios luminosos são focalizados em dois pontos diferentes porque há uma alteração na curvatura da córnea e ou do cristalino”, ressalta a oftalmologista. Uma córnea normal tem a forma arredondada, enquanto a córnea de uma pessoa com astigmatismo é ovalada. Ao passar por ela, a luz se espalha em vez de focar em um único ponto, resultando em uma visão borrada.

O mesmo princípio serve para o cristalino, a lente dos olhos, responsável por focar a imagem. Qualquer alteração nessa estrutura faz com que a imagem não seja direcionada para um único ponto na retina. O astigmatismo não pode ser prevenido e está associado a históricos familiares. Ele também pode vir acompanhado de outros problemas de visão, como a miopia, e é diagnosticado em exames de rotina realizados pelo oftalmologista. Os métodos de correção vão desde o uso de óculos e lentes de contato até cirurgias a laser.

Texto Leire Bevilaqua/Colaboradora

Consultoria Franciele Vegini, oftalmologista