Labirintite afeta todas as idades e apresenta sintomas específicos

A labirintite é uma doença caracterizada por zumbidos no ouvido, tonturas, perda auditiva e outros sintomas. Saiba mais sobre o problema!

None
A labirintite atinge pessoas de todas as faixas etárias. Foto iStock.com/Getty Images

por Redação Alto Astral
Publicado em 14/03/2017 às 10:36
Atualizado às 13:37

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

Imagine uma vertigem muito forte, o mundo parecendo girar rapidamente, zumbidos no ouvido e perda auditiva… Essa é a descrição clássica da labirintite, nome popular para explicar o processo inflamatório do labirinto: porção interna do ouvido que intervém na regulação do equilíbrio corporal. Frequente em todo o mundo, atinge homens e mulheres, sendo mais comum em pessoas acima dos 40 anos, mas nada impede que se desenvolva antes disso. “A vertigem postural pode ocorrer em crianças e normalmente é um prólogo de enxaquecas na idade adulta”, ressalta o otorrinolaringologista Antonio Douglas Menon.

Náusea e tontura são sintomas clássicos da labirintite.

A labirintite atinge pessoas de todas as faixas etárias. Foto iStock.com/Getty Images

Sintomas da labirintite

Normalmente associada à tontura, a labirintite é muito mais complexa. “Um caso clássico conta com uma tríade de sintomas: vertigem (tontura rotatória), perda auditiva e zumbido”, diz Antonio. Durante crises agudas, a pessoa também pode sentir náusea, vômito, mal-estar, sudorese, diarreia e até desmaiar. É importante ressaltar que a vertigem da labirintite é diferente do desequilíbrio, termo que serve para descrever, por exemplo, casos de indivíduos que parecem estar bêbados, com sensação de queda.

A doença é autolimitada, ou seja, melhora de forma espontânea. A duração das crises varia de acordo com o tipo apresentado e pode ser de minutos, horas ou até dias, dependendo da intensidade da fase aguda. Em geral, os 2 ou 3 primeiros dias da labirintite são os mais críticos, melhorando de forma gradual.

Prevenção

Somente algumas causas da doença podem ser prevenidas. Quem possui alterações posturais pode praticar exercícios e fazer fisioterapia para inibir os sintomas. Já para disfunções metabólicas como diabetes, quando tratadas, evitam a labirintite. O mesmo vale para hipertensão arterial ou alteração circulatória. “Sabendo a causa é possível prevenir”, orienta o otorrinolaringologista.

Consultoria Antonio Douglas Menon, otorrinolaringologista

Texto Redação Alto Astral

LEIA TAMBÉM:

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

Ao assinar nossa newsletter, você concorda com os termos de uso do site.