ESTILO DE VIDA

Endometriose: quais os riscos de ter essa doença e não tratá-la rapidamente?

A endometriose é uma doença que, normalmente, é diagnosticada tardiamente. E quais as consequências de não detectá-la precocemente? Descubra!

None
Foto: iStock.com/Getty Images

por Redação Alto Astral
Publicado em 26/04/2017 às 12:44
Atualizado às 14:00

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

A endometriose é causada pela presença do endométrio, que deve ser expelido junto com a menstruação. “Em algumas mulheres, as células do endométrio podem crescer fora do útero”, explica o ginecologista Maurício Simões Abrão. Assim, a doença se estabelece e pode comprometer a qualidade de vida da paciente. O problema costuma começar durante a adolescência, mas, normalmente, só é diagnosticado por volta dos 30 anos. Além disso, devido à falta de informação, o tempo entre o início dos sintomas e o diagnóstico da doença costuma ser, em média, de sete anos. Boa parte das mulheres só descobre ter endometriose quando sofre dificuldades para engravidar, mas daí já pode ser tarde demais.

A endometriose pode apresentar sintomas como cólica intensa e náusea.

A endometriose pode apresentar sintomas como cólica intensa e náusea. Foto Shutterstock

Causas da endometriose

O principal motivo para o surgimento da doença, segundo Abrão, é a maternidade tardia. “Hoje, uma mulher tem 400 menstruações ao longo de sua idade fértil. No início do século 20, eram 40”, comenta. Isso porque a mulher também tinha mais gestações, ou seja, menos endométrio “disponível”. Mas há outras causas, como problemas com imunidade, genética e fluxo menstrual retrógrado, além de estresse e ansiedade.

A consequência mais grave decorrente da endometriose é a impossibilidade de ter filhos. Segundo o médico, metade das mulheres que têm endometriose não consegue engravidar. Para evitar, é preciso estar atenta aos sintomas, já que apenas 10% das mulheres não apresenta nenhum deles. Os sinais mais clássicos do problema são: cólicas menstruais fortes, que não passam com remédios; menstruação irregular; náuseas, diarreia e/ou constipação durante o período menstrual; infertilidade; dor ao menstruar ou durante o ato sexual.

Prevenção e tratamento

Fique atenta ao seu corpo: ao perceber dores durante a menstruação ou nas relações sexuais, procure um ginecologista. Outras formas de prevenir é aumentar a imunidade, praticar exercícios e até mesmo fazer terapias específicas. Ainda de acordo com o ginecologista, você pode solicitar ao médico que receite pílulas combinadas e o DIU de progesterona, que também previnem a endometriose. O tratamento é feito por meio de uma cirurgia chamada laparoscopia ou com remédios que bloqueiam os hormônios responsáveis pelo ciclo menstrual.

Consultoria Maurício Simões Abrão, ginecologista

LEIA TAMBÉM: