ESTILO DE VIDA

Veja a importância de reconhecer suas emoções

Conhecer os limites das suas próprias emoções é essencial para que você não se arrependa de uma ação tomada com os sentimentos à flor da pele

None
FOTO: Shutterstock Images

por Redação Alto Astral
Publicado em 13/10/2016 às 17:32
Atualizado às 11:16

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

Muitas vezes fazemos coisas que não são do nosso comportamento usual e, geralmente, isso ocorre sob os efeitos de alguma emoção alterada. E, apenas depois do acesso passar é que nos damos conta de que estávamos fora do nosso juízo perfeito. O problema é que nesse meio tempo o estrago já pode ter sido feito – daí a importância de conhecer os próprios limites das emoções.

As emoções são expressões de fatores socioambientais que influenciam positivamente ou negativamente em nosso dia a dia. “O estado psicológico se manifesta e podemos fazer ‘leituras’, observações e interpretações do comportamento pelas expressões emocionais”, resume a professora de psicologia Berta Sheila.

Tendo isso em vista, faz-se importante compreender quais tipos de acontecimentos ativam o gatilho para determinadas emoções responsáveis por sensações desagradáveis, como sinais de ansiedade.

menina-abraçada-boneca-triste-emoções

FOTO: Shutterstock Images

Se souber utilizar as emoções a seu favor, elas podem funcionar como um guia para você perceber o que está certo e errado na sua vida e, assim, começar a mudar os hábitos. É a mesma lógica de quando se fica mal-humorado devido à fome. O que você faz para melhorar os ânimos? Come.

Esse foi apenas um exemplo banal, mas o pensamento também serve para situações mais complicadas do cotidiano. Imagine um cenário em que a pessoa fica nervosa só de pensar que o fim de semana acabou e terá que trabalhar no dia seguinte. Isso pode ser um sinal de que o trabalho não a está fazendo feliz – basta parar e interpretar os sentimentos. Desse modo, a saída é procurar uma profissão que a faça ir voltar de um dia de serviço com a sensação de dever cumprido e almejando cada vez mais sucesso na carreira, seja ela qual for.

Essa filosofia pode ser aplicada em diferentes aspectos, como a relação interpessoal no ambiente de trabalho. Ou seja, se não tem afinidade por um colega de trabalho, você pode começar a refletir sobre a sua relação com essa pessoa, alterando um pouco a sua perspectiva para mudar a circunstância. “Isso produz, nos aspectos pessoal, social e profissional, um ganho de autoestima que possibilita escolhas e decisões muito mais assertivas e não embasadas em reações a determinada emoção desconhecida”, finaliza Maura de Albanesi.

LEIA TAMBÉM

Texto e entrevistas: Giovane Rocha/Colaborador – Consultorias: Berta Sheila,  professora de psicologia; Maura de Albanesi, psicoterapeuta e mestre em psicologia e religião pela PUC-SP, em São Paulo (SP)