Desapego sustentável: aprenda como descartar lixos e objetos eletrônicos

Você tem a preocupação em descartar corretamente seus aparelhos tecnológicos? Saiba como se livrar de pilhas, baterias e outros objetos eletrônicos!

None
(Foto: Pixabay)

por Redação Alto Astral
Publicado em 15/09/2017 às 14:53
Atualizado às 14:53

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

Sabe aqueles objetos eletrônicos que não funcionam mais e que ficam lá no cantinho da casa acumulando poeira? Ou até mesmo aquele aparelho que, para você, não tem mais uso algum, mas que ainda funciona? A bateria e a pilha que acabaram? A lâmpada que queimou? Pois é, não é bom deixar tudo isso dentro de casa sabendo que não são mais úteis. Mas é importante saber desapegar dessas coisas com responsabilidade ecológica.

Segundo o Pnuma, um programa da ONU para o meio ambiente, o mundo vai descartar cerca de 50 milhões de toneladas de lixo eletrônico em 2017. Em 2014, o Brasil gerou aproximadamente 1,4 milhão de toneladas, tornando-se o principal gerador desse tipo de lixo na América latina. A última edição do estudo Panorama dos Resíduos Sólidos no Brasil, feito pela Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais (Abrelpe), constatou que o total de resíduos sólidos urbanos gerado no país aumentou 1,7% de 2014 a 2015, período em que a população brasileira cresceu 0,8% e a atividade econômica (PIB) retraiu 3,8%. Apesar do aumento, a porcentagem é menor do que em anos anteriores. De acordo com o mesmo estudo reflete um modelo de consumo que aderiu ao descartável e não mudou isso com a chegada da crise econômica.

Locais inadequados

Segundo a Abrelpe, os avanços percebidos pelo setor ainda não são suficientes para reduzir o volume total de resíduos sólidos urbanos que são encaminhados para locais inadequados. Em termos percentuais houve uma melhora relativa de 0,3% em relação ao ano anterior, porém em termos absolutos cerca de 30 milhões de toneladas de resíduos foram dispostas em lixões e aterros controlados, uma quantidade que é 1% maior do que o montante registrado em 2014. O desafio apresentado ainda é bastante considerável, uma vez que, apesar das determinações da Política Nacional de Resíduos Sólidos (Lei Federal 12.305/2010) e de outras Leis Ambientais, mais de 3.300 municípios ainda fazem uso de unidades irregulares para destinação dos resíduos coletados.

Desapego correto

TAGS

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

Ao assinar nossa newsletter, você concorda com os termos de uso do site.