A revolução de 1932 foi uma articulação da elite paulista: entenda!

A revolução de 1932 é aclamada por ser expressão máxima constituinte, contudo, os objetivos do fato, que é relembrado no dia 9 de julho, não eram tão nobres

None
FOTO: WIkimedia Commons

por Redação Alto Astral
Publicado em 29/08/2016 às 15:12
Atualizado às 18:19

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

O feriado de nove de julho, que relembra a revolução de 1932, é aclamado por ser expressão máxima constituinte. Tanto que alguns a nomeiam Revolução Constitucionalista. São Paulo não conseguiu vencer a luta e o episódio ficou marcado na história. Contudo, os objetivos do levante paulista não eram tão nobres quanto as propagandas do movimento faziam parecer.

revolução de 1932

FOTO: Wikimedia Commons

A elite paulista, principal articuladora do movimento, queria ter de volta seu papel central na hierarquia do governo, remetendo aos tempos de coronelismo em que ela mandava e desmandava. O discurso da legalidade constitucional foi usado como campanha para atrair a adesão popular à Revolução.

SAIBA MAIS

Revolução Constitucionalista: entenda o conflito que marcou a Era Vargas

Período Constitucional: como foi o governo de Getúlio de 1934 a 1937?

Texto: Redação

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

Ao assinar nossa newsletter, você concorda com os termos de uso do site.