Conheça as penas e tratamentos para assassinos em série

Quando assassinos em série são capturado, o que acontece com ele? No Brasil, a legislação prevê que o indivíduo condenado fique em cárcere por até 30 anos.

None
Imagem: Shutterstock

por Redação Alto Astral
Publicado em 26/10/2016 às 06:00
Atualizado às 18:49

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

Quando um assassino em série é capturado, o que acontece com ele? No Brasil, a legislação prevê que o indivíduo condenado fique em cárcere por até 30 anos. Agora, se considerado pela Justiça Brasileira inimputável, será aplicado uma medida de segurança, como a internação em hospital psiquiátrico, ou ainda, a inclusão de uma medicação controlada até que o acusado não apresente mais sinais de que possa cometer crimes novamente, diminuindo a periculosidade.

Provas de um crime

Imagem: Shutterstock

Há tratamentos?

“Quase todo criminoso em série apresenta algum tipo de psicopatia, por isso, se descoberto um transtorno mental, a terapia pode ajudar a diminuir a predisposição para praticar crimes deste nível”, explica Andreia Georges, psicóloga. Porém, os psicopatas raramente se sentem motivados a buscar tratamento, mas eles podem se beneficiar da psicoterapia como qualquer outra pessoa. Mesmo que seja difícil mudar o seu comportamento, a terapia pode ajudar a pessoa a respeitar as regras sociais e prevenir a prática de atos criminosos. Quando iniciada na infância a probabilidade de encontrar formas mais saudáveis e genuínas para se relacionar consigo mesmo, com o outro e com o mundo, as chances de sucesso no tratamento se tornam maiores.

No entanto, a pesquisa e os estudos na área de psicanálise, psicologia e psiquiatria se dividem em correntes que não admitem a possibilidade de cura do psicopata e outras áreas que admitem o tratamento para obter o controle das doenças. Alguns estudiosos da área, inclusive, temem que a psicoterapia, direcionada aos psicopatas, possa ser utilizada por eles como método de aprimoramento das próprias estratégias de sedução e manipulação.

Consultoria: Andreia Georges, psicóloga; Jônia Ranali, psicanalista

LEIA MAIS