ENTRETENIMENTO

Para os amantes do cinema, os filmes metalinguísticos são uma boa opção

A metalinguagem é algo curioso: trata-se da linguagem que fala sobre ela própria. No cinema, existe o filme metalinguístico, que fala sobre filme.

None
Foto: Montagem/Divulgação

por Redação Alto Astral
Publicado em 31/08/2017 às 15:48
Atualizado às 15:02

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

Metalinguagem é quando utilizamos uma linguagem para falar sobre a própria linguagem. No caso do cinema, é quando um filme fala sobre a produção de um filme, ou sobre seus próprios bastidores, mas podemos encontrar isso em todos os lugares, inclusive na sala de aula. Os livros de gramática que explicam a própria língua em que foram escritos é outro bom exemplo. ficou curioso? Confira alguns filmes metalinguísticos a seguir.

1 – O Artista | 2011

Este filme, além de metalinguístico, é um longa produzido em preto e branco no século 21 e faturou o Oscar de melhor filme em 2012. A história se passa em Hollywood, no ano de 1927. George Valentin é um famoso ator do cinema mudo que, com a chegada dos filmes sonoros se vê imerso no esquecimento. Peppy Miller, por sua vez, jovem figurante, em contrapartida, será propulsada até ao firmamento das estrelas.

2 – Super 8 | 2011

O filme é produzido e dirigido por ninguém menos que Steven Spielberg e J. J. Abrams, este longa não conta os bastidores de um grande filme de Hollywood, é verdade. A trama se passa no verão de 1979, quando um grupo de seis garotos, testemunha uma catastrófica colisão noturna de uma caminhonete com um trem de carga. Eles registram tudo com a câmera Super-8 com a qual estavam tentando fazer um filme. Não tarda para que eles comecem a desconfiar que aquilo não foi um acidente, quando misteriosos desaparecimentos começam a acontecer e o exército tenta encobrir a verdade.

3 – Trovão Tropical |2008

Esta comédia é recheada de grandes estrelas de Hollywood. Jack Black, Ben Stiller e Robert Downey Jr. são alguns nomes importantes presentes no longa lançado em 2008. E ele é duplamente metalinguístico, pois, além de ser um filme dentro de um filme, ele também é o filme, dentro do filme, dentro do filme que você está assistindo. Não entendeu nada? Calma. Cinco atores num set de filmagem enfrentam situações que eles jamais experimentaram antes. Enquanto rodam um filme sobre guerra de grande orçamento, são obrigados a se tornar de fato os soldados que interpretam na história.

4 – King Kong | 2005

O filme original foi lançado em 1933, e desde então ele foi regravado algumas vezes, mas a história é, basicamente, a mesma metalinguagem.  Carl é um diretor de Hollywood que está em apuros. O patrocínio para concluir seu filme inacabado foi cancelado e sua antiga atriz principal abandonou o projeto. Apesar dos problemas, Carl consegue encontrar uma nova atriz e embarcar a equipe e o elenco de seu filme no cargueiro fretado S.S. Venture. O objetivo da viagem é chegar na Ilha da Caveira, que tem a fama de abrigar uma raça perdida e várias criaturas consideradas extintas.

5 – A Rosa Púrpura do Cairo | 1985

Um dos maiores clássicos de Woody Allen, A Rosa Púrpura do Cairo é um metalinguístico pitoresca. Em área pobre de Nova Jersey, durante a Depressão, uma garçonete  que sustenta o marido bêbado e desempregado, que só sabe ser violento e grosseiro, foge da sua triste realidade assistindo filmes. Mas ao ver pela quinta vez “A Rosa Púrpura do Cairo” acontece o impossível! Quando o herói da fita sai da tela para declarar seu amor por ela, isto provoca um tumulto nos outros atores do filme e logo o ator que encarna o herói viaja para lá, tentando contornar a situação. Assim, ela se divide entre o ator e o personagem.

LEIA TAMBÉM: