ENTRETENIMENTO

Droga utilizada em raves pode revolucionar os antidepressivos

Apesar de possuir remédios específicos, o futuro dos medicamentos da depressão pode ser uma substância, até então, famosa apenas como droga recreativa

None
Foto: Divulgação

por Redação Alto Astral
Publicado em 14/12/2016 às 10:25
Atualizado às 15:58

COMPARTILHEShare to WhatsappShare to FacebookShare to LinkedinShare to TwitterShare to Pinteres

Durante a década de 1990, uma droga fez fama nas festas raves, primeiro nos Estados Unidos e se espalhando rapidamente pelo mundo. Transformada em pó a partir de tranquilizantes de cavalo e gato, na balada, seu nome era Special K. Como medicação, a substância de nome oficial cetamina possui características sedativas e analgésicas — não à toa, quando foi sintetizada pela primeira vez, em 1962, foi utilizada no tratamento de soldados norte-americanos durante a guerra do Vietnã.

Cetamina, ketamina, quetamina, droga

Foto: Divulgação

Mas, no século 21, a cetamina (às vezes chamada quetamina ou, comercialmente, Ketalar) vem procurando espaço no mercado farmacêutico de outra forma: como medicamento no combate à depressão maior, inclusive quando há o risco de suicídio. Essa nova aplicação da substância promete revolucionar o tratamento da doença.

Diferentemente dos antidepressivos convencionais, que geralmente começam a fazer efeito após semanas ou meses de uso, o remédio pode dar resultado em alguns dias ou mesmo horas. Além disso, os fármacos tradicionais têm eficácia em apenas 58% dos pacientes, frente a 70% — entre os que já tentaram de tudo — da nova droga.

Entretanto, o uso da cetamina em depressivos ainda não foi aprovado pelo órgão regulador norte-americano Food and Drug Administration (FDA). No Brasil, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) também não qualificou o medicamento, portanto, seu uso ainda é off-label, ou seja, para um fim não previsto na bula.

LEIA TAMBÉM

Texto e entrevistas: Augusto Biason/Colaborador

Consultorias: Adriano Segal, psiquiatra e diretor de psiquiatria de transtorno alimentar da Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica (ABESO), em São Paulo (SP); Aristides Brito, neurocientista e diretor da Marca Pessoal Treinamentos.